O que é Design Thinking e Para Que Serve?

Por Beatriz Okubo


O design thinking é uma abordagem que trouxe soluções de forma simplificada e pode ser aplicada nas mais diversas áreas. Agora, o design vai muito além da estética.

Já imaginou corporativo e criativo juntos? Podemos dizer que esta união é possível e, melhor ainda, faz com que a sensibilidade esteja presente nos métodos de trabalho.

Sobre esse assunto, você verá:

  • o que é design thinking;
  • quem inventou esse conceito;
  • como o design thinking e a experiência do usuário se encontram;
  • por que é conhecido como uma abordagem e não um método;
  • os três pilares do design thinking;
  • como fazer o design thinking a partir de cinco fases;
  • para que serve e por que utilizar o design thinking;
  • como o design thinking se aplica à realidade das agências?
  • para quem é o design thinking.

O que é design thinking?

O design thinking é uma abordagem utilizada para solucionar problemas. A ideia é que os envolvidos possam juntos, de forma colaborativa, buscar a solução de questões, visando a satisfação dos clientes.

Isso envolve as experiências culturais e de vida de cada um, bem como a visão de mundo e outros fatores tão particulares que podem ajudar na solução de problemas e das reais necessidades dos consumidores.

Com essa abordagem “humana” e focada em resolver problemas, o design thinking pode ser utilizado nos mais diversos segmentos de negócios.

Quem inventou esse conceito?

Quem inventou o Design Thinking

Quem foi que inventou o Design Thinking?

Tim Brown é CEO e sócio da IDEO — uma das maiores consultorias de design no mundo. Designer por formação, Brown e David Kelley, professor de Stanford e fundador da IDEO, foram responsáveis pela metodologia design thinking.

Segundo Tim Brown, em seu TED nomeado como “Designers – Pensem Grande”:

“As necessidades humanas são o ponto de partida, a metodologia de design thinking rapidamente passa a aprender criando. Ao invés de pensar o que construir, construir para pensar. Protótipos aceleram o processo de inovação. Porque apenas quando liberamos nossas ideias para o mundo que começamos a compreender suas forças e fraquezas. Quanto mais cedo fizermos isso, mais rapidamente nossas ideias evoluem”.

Como o design thinking e a experiência do usuário se encontram?

Quando o assunto são os meios digitais — onde as pessoas se conectam a todo momento — é preciso considerar os aspectos que podem cooperar para que a sua empresa esteja preparada para gerar uma boa conexão com o público-alvo. Esse cenário é, então, perfeito para que o design thinking e a experiência de usuário se encontrem!

O UX Design — sigla para User Experience Design, ou seja, Design da Experiência do Usuário — tem como foco criar layouts que priorizem o bem-estar do público-alvo, tornando sites, blogs, entre outros visuais do meio digital, mais amigáveis para proporcionar uma visita agradável para os usuários.

Essa preocupação é essencial para empresas que desejam conquistar e engajar mais pessoas às suas marcas e, por consequência, fazer mais vendas de seus produtos e serviços on-line. Ou seja, funciona mais como um método, pois conta com alguns passos que cooperam com a realização de forma específica dos visuais que vão estar em contato com as pessoas, seja em forma de site, blog, aplicativo, entre outros.

Por que é conhecido como uma abordagem e não um método?

O design thinking trata-se de uma abordagem, pois, apesar de contar com etapas, pode ser modificado e adaptado a cada empresa e, mais particularmente ainda, a cada projeto. Afinal, como pode ser utilizado para solucionar questões diferentes e de ramos de atuação distintos, não tem regras a serem seguidas, mas boas práticas flexíveis.

É como se fosse a união entre mindset e plano de ação, ou seja, repertório criativo e visual se combinam para que sejam executados de maneira prática para resolver problemas — esses podem ser desde a criação de sites e aplicativos, até o desenvolvimento de campanhas digitais ou mesmo de novos produtos/serviços da sua marca.

Tudo pode ser feito por meio do design thinking, pois é a maneira ideal de abordar um processo para alcançar o objetivo final, sem deixar a criatividade e a empatia de lado. Ou seja, a sensibilidade é o ponto de encontro, o match dessas estratégias digitais.

Quais são os três pilares do design thinking?

O design thinking está ancorado em três pilares principais. São eles:

  1. empatia: consiste em olhar para o problema com os olhos de quem o está vivenciando. No caso de um projeto, significa se colocar no lugar do público;
  2. colaboração: a abordagem também considera a união de profissionais de diferentes áreas para gerar as melhores ideias;
  3. experimentação: o design thinking não é algo teórico, mas prático. Por isso, ele inclui uma fase de testagens, para verificar o que foi pensado anteriormente.

Como fazer o design thinking a partir de cinco fases

Uma das dúvidas de muitos é sobre como aplicar o design thinking de forma efetiva, já que pode parecer meio abstrato. Para isso, é essencial seguir as etapas da abordagem.

Vamos ajudar você a entender como esse conceito funciona, acompanhando as etapas, vai ser mais fácil identificar como a experiência do usuário é valorizada em todo o processo. Veja:

Etapas do Design Thinking

Quais são as etapas do Design Thinking

Empatia

Lembra que falamos da empatia? Ela é a primeira etapa e é uma das mais importantes, pois é onde você se coloca no lugar do seu público-alvo. Pesquise tudo sobre ele, quais seus interesses e o que é mais importante para ele, em relação ao projeto que você está criando.

Neste momento, traçar um mapa da empatia pode ser de grande ajuda, assim, você entenderá não só o perfil, mas informações mais aprofundadas — como as dores e dificuldades que sente, quais as expectativas e muito mais.

Dados como esses ajudam você a entender como se conectar com mais facilidade, encontrando as soluções mais adequadas.

Definição

Com base nas informações adquiridas na fase da empatia, é preciso definir qual o problema principal a ser resolvido, bem como os secundários. Na fase da definição, considere as dores da persona para elencar prioridades e saber quais são as questões a lidar de agora em diante.

Ideação

Agora que você já sabe quais são os problemas a resolver e quais os motivos por trás de cada um deles, chegou a hora de pensar nas soluções. A fase de ideação nada mais é do que o momento de brainstorming, em que a equipe une-se para encontrar o melhor caminho a seguir.

O que é Design Thinking e Para Que Serve?

Como ainda não é a etapa prática, as ideias podem surgir a todo vapor. Este é mesmo o momento de liberar a criatividade, sem medo de errar.

Prototipação

A mão na massa do design thinking chega na hora da prototipação, a fase em que as ideias passam a tomar forma e ganhar vida.

Por exemplo: uma landing page — página para captação de leads —, antes de ficar 100% pronta, passa pela etapa de wireframe (uma espécie de “rascunho”) até sua criação no formato MVP — Minimum Viable Product, ou seja, Menor Produto Viável.

Nesse formato, a página ganha vida apenas com os atributos essenciais para seu funcionamento. Porém, ainda não é a versão final, pois pode passar por melhorias.

Testes

É por isso que existe a fase de testes, em que os protótipos são colocados à prova para que você encontre todas as lacunas abertas e saiba exatamente o que melhorar.

Aqui na Mestre, por exemplo, nossas equipes de design e de desenvolvimento acreditam que este momento é crucial, pois, é na prática que sabem o que precisa ser modificado para gerar uma melhor experiência para o usuário.

Segundo um de nossos desenvolvedores, a equipe busca “atender, de fato, a necessidade do usuário, por isso é tão importante fazer testes. Só assim, falhas são identificadas e até mesmo pequenos ruídos que precisam ser ajustados para tornar a navegação e interação completamente intuitiva”.

Um dos designers da nossa equipe completou que “fazemos tudo para deixar o mais simples possível para o público, assim, aumentamos as interações e, consequentemente, as conversões”.

Para que serve e por que utilizar o design thinking?

O design thinking tem como uma de suas colunas principais a experiência do usuário. Portanto, o cliente estará sempre em primeiro lugar — sendo um dos principais motivos para utilizar a abordagem. Lembre-se: um usuário satisfeito está cada vez mais próximo de finalizar a conversão.

Além disso, alguns outros benefícios são garantidos:

  • maior agilidade no processo;
  • eficácia nas ações, já que as etapas buscam a melhoria contínua;
  • interação efetiva entre empresa e cliente final;
  • criatividade nos métodos aplicados.

Para quem é o design thinking?

A dúvida que fica na mente de muitos é se esse tipo de abordagem é indicado apenas para as grandes empresas. A boa notícia é que todos podem contar com o design thinking e garantir assertividade nos projetos.

Nossa equipe entende que cada detalhe importa e, quando questionados sobre a equação design thinking + experiência do usuário, as respostas envolviam os seguintes aspectos: processo responsável, qualidade, funcionalidade e solução.

Como o design thinking se aplica à realidade das agências?

Para as realidades das agências, o design thinking é uma ótima opção para trazer inovação aos negócios e estimular a criatividade dos colaboradores. Isso garante que você e a sua agência de marketing digital abra uma vantagem competitiva em relação às outras empresas do mesmo setor.

Veja abaixo situações comuns da área em que você pode aplicar o design thinking:

Em conteúdos

Aplicar o design thinking na produção de conteúdo ajudará a entender melhor quem é o público-alvo, como ele tem se comportado, quais as mídias que ele consome, a sua linguagem e principalmente, o que ele entende.

Desta forma, você poderá promover ações de produção de conteúdo mais interativo, visuais e funcionais para o público.

Confira abaixo dicas exclusivas do especialista Fabio Ricotta para a criação de conteúdos:

Em branding

Ter uma marca relevante e fazer um bom branding tem tudo a ver com design thinking. Promover experiências aos defensores usando o design thinking e as suas etapas, possibilita entender quem são as pessoas que interagem com a marca e gostam dela e a partir disso, criar boas experiências para elas.

E se o seu objetivo é se posicionar, essa ferramenta se faz ainda mais necessária para entender a realidade que o outro vê.

Gostou de saber mais sobre o tema? Caso queira entender como a Agência Mestre pode cooperar com o crescimento da sua empresa no meio digital, entre em contato e conte com a gente!

LEIA MAIS
Heat Map: Monitore Cliques e Ações dos Usuários em Seu Site

Heat Map: Monitore Cliques e Ações dos Usuários em Seu Site

Alguma vez você já ficou curioso para saber em quais lugares do seu site os visitantes mais clicam? Saiba que existem ferramentas que mostram o…

CTA: Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Call to Action

CTA: Tudo o Que Você Precisa Saber Sobre Call to Action

CTA, ou call to action, são funções ou links que incitam o usuário a executar uma ação. Veja como utilizar da maneira certa para fazer seu público agir!

7 Técnicas Para Aumentar a Taxa de Conversão em Sua Landing Page

7 Técnicas Para Aumentar a Taxa de Conversão em Sua Landing Page

Após todo o trabalho de aquisição de tráfego, você conseguiu um volume sólido de visitantes para suas páginas e o trabalho acabou? Não. Após conquistar um visitante e ele chegar a sua página, apenas metade do caminho foi percorrido. Agora é hora de conseguir que a visita se transforme em uma conversão: venda, assinatura, cadastro, pesquisa, enfim, o que você precisar. Neste artigo, 7 dicas para melhorar a conversão em landing pages.

Comentários
Deixe seu comentário abaixo

Já pensou em fazer parte do nosso time de mestres?