Google Search Console: Tráfego de Pesquisa

Google Search Console: Tráfego de Pesquisa

Este é um kit de relatórios precursor da mudança do Google de Google Webmasters Tools para Google Search Console. Os relatórios do Tráfego de Pesquisa (Search Traffic) tem informações muito ricas para você acompanhar a evolução do seu site, bem como analisar e tomar decisões de mudanças e melhorias ele.

O primeiro relatório do kit, Search Analytics, foi o relatório que ganhou uma grande atualização, ficando bem mais interessante. Em sua versão anterior, tinhamos menos controle e os números contavam com mais aproximações. Agora, podemos ver números mais exatos. Os números podem ser sobre:

  • Total de cliques
  • Total de impressões
  • CTR médio
  • Posição média

E o mais interessante é usar esses números junto ao relatório de Consultas ou Páginas. Consultas, no caso, exibe a lista de pesquisas realizadas no Google e que contou com a exibição de um resultado do seu site. São as palavras e frases que as pessoas realizam e que o Google lista o seu site entre os resultados.

Naturalmente, você pode listar páginas também e obter os números sobre elas. E os números são exatamente o que o seu nome propõe:

  • Total de cliques: Quantas cliques levaram usuários ao seu site;
  • Total de impressões: Quantas vezes o site apareceu como resultado;
  • CTR médio: Taxa de cliques por impressão (CTR = Click-through Rate);
  • Posição média: Posicionamento médio do site.

Você poderá ver números em geral, ou específicos por consultas e páginas. Outra ação bem interessante ainda nesse relatório é filtrar a exibição por desktop, tablet ou mobile. Esse relatório oferece um histórico de 90 dias sobre os dados e permite comparar períodos dentro desse intervalo. Também outra opção que leva a muitas análises e ações para o site.

Em seguida vem o relatório Links para o seu site (Links to Your Site) que é um informativo amostral dos sites e páginas que o Google identificou que tem pelo menos 1 link indicando o seu site. Esse relatório é legal para conferir que links o Google declaradamente reconhece para o seu site.

Da lista, você tanto vai encontrar bons sites, os quais valerão uma investigação mais a fundo sobre o contexto do link (de qual página para qual página; qual conteúdo? será possível obter outros links?) para eventualmente obter mais conversões e não parar só no link. Se encontrar links ruins ou duvidosos, vale também separar e investigar para evitar problemas.

E encontrando links efetivamente negativos, você pode utilizar a Disavow Tool para solicitar ao Google desconsideração desses links suspeitos.

Já o relatório Links Internos (Internal Links) não deve ter muita surpresa: nela você encontra a lista de páginas do seu site que mais tem links em outras páginas do seu próprio site. Provavelmente os elementos de template vão prevalecer, por exemplo: você tem um link para a página inicial em todas as páginas do seu site? Então provavelmente essa página vai estar no começo da lista, junto de outras páginas que tem links de template também (menu, rodapé, sidebar …)

Da lista, vale ficar atento à páginas estranhas aparecendo aí, por exemplo, uma página inexistente que retorne o código 404 ou algo nessa linha.

Em Ações Manuais (Manual Actions) você pode encontrar um comunicado do Google sobre algum problema de violação de suas diretrizes para Webmasters. Ou, de preferência, o contrário: que você nunca encontre um aviso exatamente por não violar as diretrizes.

No item Segmentação Internacional (International Targeting) você pode indicar ao Google o país ao qual o seu site se destina (quando a ccTLD não está presente no nome de domínio) e ele também informa o idioma declarado no seu site pela tag hreflang, se você usar a tag. O propósito é que você tenha país e idioma alinhado com o Google para que ele mostre seu site para as pessoas certas. Nenhum dos 2 itens é uma configuração obrigatória, eles são apenas indicações.

Fechando a lista, vem um importante relatório: “Facilidades de uso em dispositivos móveis” ou Mobile Usability.
Aí, o Google pode listar eventuais problemas de usabilidade que o seu site tenha em relação à renderização em dispositivos móveis. Como esse é um fator muito importante para experiência do usuário, conversões e posicionamento na busca móvel, vale a pena acompanhar as sugestões do Google e corrigir todo e qualquer problema indicado.

Google Search Console em Ação

Se você quiser o Search Console e esses relatórios em ação, assine a Academia de Marketing Digital no Mestre Academy. Por lá, o Módulo de SEO conta com vídeo-aulas sobre cada relatório do Google Search Console, cada uma mostrando o uso e as informações de cada um dos relatórios. Clique aqui para começar ainda hoje!

Receba Novidades

Insira seu email para receber novidades e dicas exclusivas da Agência Mestre!
Divulgue este artigo

5 Comentários para “Google Search Console: Tráfego de Pesquisa”

  1. João Netto - Criação de Sites

    Bom dia Heron.

    Existe algum script ou plugin que gere o sitemap e poste o mesmo no Google Webmaster ou depois de postar uma vez mesmo que faça alterações e adicione novas páginas o google atualiza sozinho.

    Obrigado e até mais amigo.

    Responder
    • Rodrigo

      Heron

      Plugins existem para diversos CMS, wordpress, joomla, drupal etc.. para outros sites um bom programador faz o mesmo facilmente, caso seja cms, procure por plugin sitemap wordpress por exemplo que encontrara diversos.

      Uma vez que você adicione o sitemap ao google, sempre que você atualizar o sitemap, o google irá atualizar o mesmo no webmaster tools, não quer dizer que irá indexar tudo, mais ele lerá o arquivo atualizado e novo.

      Responder
  2. PaKo

    Boas


    Pages with internal links

    …é normal ele ter um rank menor….

    Não percebo o porque de ter um rank menor, se fosse possível explicar agradecia.

    Obrigado

    Responder

Deixar um comentário

  • (não será publicado)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>