SEO

Conheça a Experiência Generativa de Pesquisa do Google

Por Raquel Pereira

Saiba como funciona a nova “Experiência Generativa de Pesquisa do Google” e o que fazer para manter a relevância.

Raquel Pereira

O Google está testando uma nova experiência de pesquisa alimentada por inteligência artificial chamada Search Generative Experience (SGE).

Ainda em fase experimental, o SGE promete transformar a maneira como interagimos com os resultados de pesquisa. Confira alguns detalhes sobre essa novidade:

Novo Pedido de Patente do Google dá Detalhes sobre o SGE

Conforme publicado no portal Google Patents, o portal oficial de patentes do buscador, um novo pedido de patente teria sido apresentado em março de 2023 e concedido ao buscador em setembro.

O pedido de patente, denominado “Generative summaries for search results” ou “Resumos generativos para resultados de pesquisa” em português, descreve mais detalhes sobre a forma com a Experiência Generativa de Pesquisa do Google funciona.

Conforme publicado no resumo do pedido:

“Utilizar pelo menos seletivamente um modelo de linguagem grande (LLM) na geração de um resumo baseado em linguagem natural (NL) a ser renderizado em resposta a uma consulta.”

Segundo o resumo, os resultados de pesquisa do Google terão um “resultado de linguagem natural baseado em LLM” adicionados ao seu conteúdo, que pode, por exemplo, “mitigar ocorrências do resumo baseado em NL, incluindo imprecisões e/ou pode mitigar ocorrências de resumo baseado em NL sendo super especificado e/ou subespecificado.”

Qual a opinião dos especialistas sobre a nova patente do Google?

Segundo o especialista em SEO, Juan González Villa, essa descrição da patente descreve exatamente o que vemos atualmente no SGE – apesar do buscador não afirmar que se trata desse modelo de pesquisa.

O consultor compartilhou uma extensa análise sobre a patente em uma thread no X:

Confira neste artigo alguns detalhes sobre essa análise:

Detalhes sobre a Patente “Resumos generativos para resultados de pesquisa” do Google

O Google compartilhou alguns diagramas sobre o funcionamento do produto da patente e, conforme republicado pelo especialista, essas informações reforçam a ideia por trás do SGE:

Diagrama da Experiência Generativa de Pesquisa do Google(Imagem: Google | Reprodução – Traduzido do Inglês)

Um dos pontos de destaque do diagrama é o fato de que mais de um modelo generativo pode ser acessado para retornar às consultas dos usuários, gerando um resultado semelhante a:

Diagrama da Experiência Generativa de Pesquisa do Google - Resultado de Busca(Imagem: Google | Reprodução – Traduzido do Inglês)

A leitura desta patente pode ajudá-lo a entender melhor como funciona a Experiência Gerativa de Pesquisa, mas tenha em mente que só porque o Google possui uma patente, isso não significa que ela seja usada.

SGE chega a mais países

Na última semana de agosto (30), a Diretora sênior de gerenciamento de produtos de pesquisa do Google, Hema Budaraju, anunciou que a Experiência Generativa de Pesquisa está sendo expandida para as primeiras regiões fora dos EUA – Japão e Índia.

Segundo a diretora, o uso do SGE nos EUA ajudou os desenvolvedores do buscador a entender como os usuários estavam experimentando as funcionalidades da ferramenta e, consequentemente, ajudou a incrementar recursos como incluir vídeos e imagens em respostas, informações locais e recomendações de viagens, por exemplo. Agora, o recurso deve chegar a mais países para que possa se tornar ainda mais eficiente:

“Agora, estamos levando nossa experiência de IA generativa em Pesquisa (SGE) para mais pessoas, disponibilizando o Search Labs na Índia e no Japão.”

Novas funcionalidade do SGE com a expansão para mais países

Segundo compartilhado no Blog “The Keyword” do Google, a expansão da experiência generativa de pesquisa é uma forma de tornar o produto mais acessível em diferentes idiomas e para diferentes culturas antes de um lançamento global.

Para isso, a primeira grande novidade do buscador é a capacidade de gerar respostas em outros idiomas (por enquanto, apenas os idiomas nativos dessas regiões), e a facilidade de tradução para usuários multilíngues.

(Fonte: Blog “The Keyword” do Google | Reprodução)

Budaraju explica que os usuários ainda verão os anúncios e as respostas padrão da SERP, assim como nos EUA, em seus idiomas nativos. No entanto, as respostas geradas automaticamente por IA poderão ser traduzidas. Além disso, os usuários indianos poderão escutar suas respostas por conta da preferência cultural do país.

Nova exibição de links na Experiência Generativa de Pesquisa

Além das funcionalidades de tradução, o Google está otimizando ainda mais a exibição de links nas respostas geradas por IA.
(Fonte: Blog “The Keyword” do Google | Reprodução)

Agora, ao incluir informações de um determinado site da web para responder às consultas dos usuários, o buscador exibe uma pequena seta para baixo que expande uma seção com as páginas que foram consultadas para gerar aquela resposta.

O buscador já testou diferentes formatos de exibição dos links consultados, e informa que continuará a otimizar a visualização conforme for recebendo novos feedbacks dos usuários. O portal Search Engine Land compartilhou uma captura de tela de uma consulta que exibe um de seus artigos na resposta gerada por IA:

(Fonte: Search Engine Land | Reprodução)

O SGE está avançando para um lançamento global e a exibição de links mais atrativos pode ser uma ótima oportunidade para conquistar mais tráfego orgânico para o seu site. Continue lendo este artigo para conferir todos os detalhes sobre a Experiência Generativa de Pesquisa do Google:

O que é a Experiência Generativa de Pesquisa do Google?

Segundo publicado pelo jornal The New York Times, em abril deste ano, o Google (que já é o maior buscador do mundo), parece estar testando um novo buscador baseado em sistemas de IA. O “Projeto Magi”, como está sendo chamado, deverá ser o próximo grande passo do Google na corrida dos sistemas de IA, para superar seu maior rival atual – o ChatGPT.

Conforme compartilhado pelo NYT:

“O novo mecanismo de busca ofereceria aos usuários uma experiência muito mais personalizada do que o serviço atual da empresa, tentando antecipar as necessidades dos usuários”

O SGE (Search Generative Experience), é essa nova interface de pesquisa que exibe uma resposta gerada por IA acima dos resultados de pesquisa convencionais. Este recurso está sendo testado desde maio, com usuários selecionados por meio de uma lista de espera do Google Labs.

Segundo os usuários que estão realizando os testes, a resposta às consultas do usuário é delimitada logo abaixo da barra de pesquisa pelo próprio Google e recebe um selo de “Generative AI”, para sinalizar ao usuário que o texto foi gerado por um sistema de inteligência artificial.

Além disso, o buscador lista em links clicáveis todas as páginas utilizadas para gerar a resposta, de forma que o usuário possa aprofundar seus conhecimentos ao escolher uma página e ler seu conteúdo completo.

Ao clicar no botão de expansão para mostrar uma resposta mais profunda, o usuário recebe respostas adicionais da IA generativa e, ao longo das respostas geradas pela IA, o Google fornece sites nesses quadros clicáveis com imagens, para que se possa clicar e aprender mais no site.

Como funciona a Experiência Generativa de Pesquisa do Google?

Conforme citado anteriormente, o SGE está disponível apenas para usuários cadastrados na lista de espera do Google Labs e selecionados pelo buscador.

A nova experiência de pesquisa usa uma variedade de Modelos de Linguagem de Aprendizado de Máquina (LLMs) do Google, incluindo MUM e PaLM2. O que significa que essa experiência de pesquisa foi treinada especificamente para realizar tarefas específicas de pesquisa, incluindo a identificação de resultados da web de alta qualidade que corroboram as informações apresentadas na saída.

Abordagem do buscador no SGE

Uma das grandes dificuldades que os buscadores baseados em IA enfrentam é a capacidade de entrar uma resposta factual de forma fluída.

Segundo o Google, as pessoas têm uma tendência maior a “acreditar” em informações quando elas são apresentadas de forma simples, por isso, o buscador tem uma abordagem de cinco pontos para que a IA generativa na pesquisa possa ajudar as pessoas:

  • Necessidades de informação: basicamente, se trata de como o buscador pode reduzir o número de etapas necessárias para o pesquisador realizar uma tarefa ou completar um objetivo e como pode tornar a experiência mais fluida e contínua?;
  • Qualidade da informação: abordagem necessária para que toda informação com a qual o Google vá responder ao usuário seja de qualidade, e a maneira como a IA responde precisa ser de alto nível;
  • Restrições de segurança: será que o Google deve fornecer respostas em primeira pessoa? Ou deve fornecer respostas fluidas que os usuários confiariam ser 100% precisas, quando o Google pode não ser capaz de verificar a precisão de todas as respostas? As restrições (que você verá mais à frente neste artigo), são uma forma do buscador oferecer respostas que sejam seguras e não gerem desconforto ou problemas ao usuário;
  • Ecossistema: forma do buscador fornecer tráfego e créditos para a fonte do conteúdo, projetando uma experiência que incentive os usuários e pesquisadores a se aprofundarem nessas fontes;
  • Anúncios: os anúncios podem ser relevantes e fornecer informações adicionais ao usuário e como é melhor mostrar os anúncios ao usuário nesta experiência.

SGE enquanto navega: Google está expandindo a Experiência Generativa de Pesquisa para a navegação no Chrome

Essa semana (15 de agosto), o buscador lançou novos recursos para a Experiência Generativa de Pesquisa que podem aproximá-la do lançamento global.

As novas funcionalidades incluem: possibilidade de utilizar o SGE durante a navegação, sobreposições de definição nas respostas SGE e codificação por cores com realce de sintaxe e outras melhorias de codificação nas respostas SGE.

Segundo o buscador, esses novos recursos vão auxiliar os usuários a “aprender melhor e entender as informações na WEB, seja aprofundando sua compreensão de conceitos complicados, aprimorando suas habilidades de codificação ou rastreando detalhes em um tópico complexo”. Confira os detalhes:

SGE na Navegação WEB

O SGE agora está disponível para os usuários cadastrados durante a navegação, tanto na área de trabalho do Chrome quanto no aplicativo móvel do Google para Android e iOS. Com ele, ao acessar uma página da web, o usuário pode pedir ao SGE para gerar pontos-chave no conteúdo e identificá-los rapidamente.

Segundo o Google, isso funciona em “algumas páginas da web”, o que indica que a funcionalidade ainda está sendo testada para alcançar mais páginas no futuro.

“Você pode tocar para ver uma lista gerada por IA dos principais pontos abordados por um artigo, com links que o levarão diretamente ao que você está procurando diretamente na página”

O recurso não é automatizado, mas pode ser uma forma útil dos usuários encontrarem informações que precisam em um conteúdo de forma mais prática. Além disso, o SGE não poderá ser utilizado em páginas com acesso pago, protegendo a privacidade de conteúdos com dados estruturados para conteúdo com paywall.

Por enquanto, ainda não há outra alternativa para que os donos de sites “impeçam” o SGE de rastrear o conteúdo de suas páginas. Diferentemente do GTPBot da OpenAI, o SGE ainda não possui uma meta tag específica que indique quando uma página “não deve ser lida”. Por outro lado, o buscador informa que a página em questão precisa estar indexada para o SGE funcionar.

Snippets de Definição de Termos no SGE

As respostas do SGE na Pesquisa do Google agora também devem contar com a tecnologia dos “snippets em destaque” do buscador para criar sobreposições de definição de termos. Ao passar o mouse sobre uma palavra sublinhada, os usuários podem conferir uma rápida explicação:

O balão contém um botão chamado “Conte-me mais sobre [tópico]”, é uma forma dos usuários entrarem diretamente em uma conversação com o Bard sobre o tópico em questão.

Codificação no SGE

Além das otimização na pesquisa, o SGE também está melhorando suas habilidades de demonstrar a codificação em suas respostas. Agora, o buscador pode mostrar uma codificação nas respostas que gera com sintaxe de cores em exemplos de código.

Restrições de Segurança da Experiência Generativa de Pesquisa do Google

O Google está sendo cauteloso com essa nova versão do Google Search, que pretende mostrar respostas para consultas mais seguras – algo que o Bard, sistema de IA conversacional do Google, ainda está aprendendo a fazer.

Segundo os testes, existem áreas em que o buscador não dará respostas como, por exemplo, perguntas sobre a administração de Tylenol a uma criança, pois está na área médica ou perguntas sobre finanças.

Links Diretos na Experiência Generativa de Pesquisa

Como comentado anteriormente, o Google pretende criar um ecossistema no qual os criadores de conteúdo sejam favorecidos pela SGE, por isso, em uma atualização recente anunciada em 1º de agosto, o Google disse que está testando a exibição de links diretamente nas respostas instantâneas geradas pela Experiência Generativa de Pesquisa.

Agora, os links aparecem dentro da resposta em texto. Anteriormente, o buscador só mostrava links nos cartões na seção superior direita da resposta gerada pela IA.

Uma das maiores críticas à Experiência Generativa de Pesquisa é que você não pode clicar no texto da resposta gerada pela IA para a fonte da informação, por isso, ter links nessas respostas generativas torna essa experiência mais útil.

Impactos na Criação de Conteúdo: Como os profissionais de Marketing estão lidando com essas mudanças?

A introdução da Experiência Generativa de Pesquisa do Google tem implicações significativas para os criadores de conteúdo online, que já vem se preocupando com os impactos da IA na produção de conteúdo há algum tempo.

Com a IA do Google agora capaz de gerar respostas diretas para consultas de pesquisa e citar as fontes de onde as informações foram extraídas, os criadores de conteúdo precisam se adaptar a essa nova realidade e entender como a IA influencia no seu Marketing de Conteúdo.

Afinal, essas mudanças podem gerar impactos significativos no tráfego orgânico do seu site – tanto negativos quanto positivos. Se, nos últimos anos, o foco era na criação de conteúdo otimizado para alcançar o topo da SERP, agora as atenções devem se voltar para que o seu conteúdo possa ser utilizado pelo Google em suas respostas. Confira algumas dicas:

Foco na Qualidade e Relevância

Agora, mais do que nunca, a qualidade e a relevância do conteúdo são cruciais. O buscador está testando sua IA para identificar e apresentar informações de alta qualidade que correspondem diretamente às consultas dos usuários.

Isso significa que os criadores de conteúdo devem se esforçar para produzir conteúdo que seja não apenas informativo e bem escrito, mas também altamente relevante para as consultas de pesquisa que desejam atingir.

Conteúdo intencional para geração de citação e links

Agora que o Google está otimizando a linkagem no SGE para incentivar o usuário a conhecer mais sobre o conteúdo, otimize suas páginas para que elas sejam citadas diretamente nas respostas instantâneas e, dessa forma, direcione o tráfego para o seu site.

Isso enfatiza a importância de ter um conteúdo de alta qualidade que possa ser citado como uma fonte confiável de informação.

Mantenha-se atento às mudanças

Os criadores de conteúdo estão se adaptando a essas mudanças de várias maneiras. Alguns estão focando em melhorar a qualidade de seu conteúdo, enquanto outros estão explorando novas estratégias de SEO para garantir que seu conteúdo seja facilmente encontrado e citado pela IA do Google.

Para que você também fique por dentro de todas as novidades sobre Marketing Digital e SEO, faça parte da nossa Lista VIP!

Toda semana, nós enviamos uma newsletter recheada de novidades de marketing digital, dados do mercado e tendências, além de um compilado com nossos conteúdos para que você otimize sua estratégia com o que há de mais recente no mercado. Clique aqui e inscreva-se na nossa Lista VIP.

Conte com o apoio de uma equipe de mestres!

A Experiência Generativa de Pesquisa do Google representa uma evolução na maneira como as informações são apresentadas aos usuários.

Os criadores de conteúdo que conseguirem se adaptar a essas mudanças e aproveitar as novas oportunidades que elas apresentam estarão bem posicionados para ter sucesso no cenário digital em constante evolução.

Se você não quiser ficar atrás da sua concorrência, contar com o apoio de quem é mestre em estratégias de SEO há mais de uma década é fundamental. Descubra como nossa equipe pode elevar seus resultados com estratégias de SEO e Conteúdo que vão te manter relevante e confiável mesmo com as mudanças do buscador.

Clique aqui e conheça nossa Consultoria de SEO!

LEIA MAIS

O que é SEO? Guia do Search Engine Optimization [2023]

Quer entender o que é SEO? Aprender como esta técnica pode ajudar o seu negócio/website a crescer o número de visitas? Criamos este guia para ajudar você hoje mesmo! CLIQUE e confira os detalhes neste artigo!

Páginas 404 Não Devem Retornar o Código 200 de Status

Hoje em dia é muito comum que página de erro 404 sejam customizadas, mas o trabalho de qualquer profissional de SEO é que estas páginas façam realmente o seu papel. Veja como prevenir que suas páginas de erro 404 causem problemas com os seus rankings.

Redirecionamento 301 em PHP, ASP, htaccess, Coldfusion e Ruby on Rails

Você quer saber como configurar o redirecionamento 301 no seu site? Veja como e mantenha sua relevância no Google!

Já pensou em fazer parte do nosso time de mestres?