Olá leitores do blog! Sejam bem-vindos a mais um episódio do Mestre TV! Hoje nosso CEO, Fabio Ricotta, vai tratar sobre CTR. Um dos assuntos mais antigos na área de SEO, que abordamos desde o primeiro curso produzido pela Mestre em 2009 e que nunca explicamos em nossos episódios!

O que é CTR?

CTR significa em inglês Click-through Rate — ou seja — quantas pessoas viram o resultado de uma busca e quantas realizaram efetivamente o clique. Mas você pode se perguntar “o que isso tem a ver com SEO?”. Para entender isso, precisamos primeiro identificar o que você tem de informação em um resultado de busca.

Quando alguém faz uma pesquisa no Google, ela pode observar um título no topo do resultado. Logo abaixo vem a meta description, uma pequena descrição do que a pessoa vai encontrar ao clicar no link. Dependendo o dispositivo, computador ou desktop, você pode até observar uma URL logo abaixo do título.

Com essas informações, o que você pode pensar em termos de CTR? É só perceber quando a pessoa que pesquisou um termo bate o olho nos resultados, o que ela faz? Escaneia o título e as informações do campo descritivo. Somente se ela se interessar no assunto e no conteúdo ela vai clicar no resultado.

Então, você tem como saber quantas pessoas se interessaram no resultado frente à sua exibição. Para poder ver isso é só entrar no GSC — Google Search Console — e visualizar o relatório completo de todas as palavras-chave para as quais suas páginas apareceram, sua posição média nos resultados, quantos cliques você gerou e o CTR.

O que fazer com essas métricas?

Muitas vezes, para aumentar o seu CTR, você nem precisa mexer no seu site. O mais importante é entender quais são as palavras-chaves que você tem, e que possuem um CTR abaixo da média para a posição em que você está aparecendo.

Para entender melhor, baixe todos os dados e organize em uma planilha de Excel. Analisando os resultados, você vai perceber padrões nos CTR.

Por exemplo, selecione as palavras que você está em primeiro lugar e observe qual CTR médio delas. Se forem de 30%, na média, agora você precisa selecionar todas as palavras que também ficam na primeira posição, mas que apresentam um CTR médio abaixo deste número.

O que isso quer dizer? Que você está aparecendo em primeiro lugar no Google, mas que está tendo um clique abaixo da média tradicional.

Alguns fatores que podem ocasionar isso, como muitos anúncios antes do primeiros resultados, ou então, as suas informações de título e descrição estão ruins, e não cativam o usuário.

Como chamar atenção do usuário?

É nesta hora que você vai entrar na sua página, editar o título e a meta description para serem mais chamativas. Você pode pegar a sua palavra-chave e deixar ela mais proeminente no título, ou seja, mas próxima do início para o usuário perceber que se trata de uma página sobre aquele assunto.

Se a sua marca é um diferencial para o tema que você vai tratar, pode também adicionar a sua marca no título.

Outro ponto bastante importante é sempre ter um Call to Action — chamada para ação — na parte descritiva, por exemplo “confira aqui”, “saiba mais”, “leia na íntegra”, para fazer o usuário ter vontade de clicar.

Essa análise e visão sobre quais resultados otimizar podem ser feitas não só para as palavras-chave em primeiro lugar em sua lista. Para gerar bons resultados, você deve ajustar o título e descrição de palavras até na quinta posição. Essa avaliação pode ser feita mensalmente, pois o Google está sempre flutuando seus resultados.

CTR faz diferença na posicionamento?

Apesar de o Google dizer oficialmente que a quantidade de cliques recebidos não é um fator para rankeamento, há profissionais de SEO que mostram que quanto mais cliques você recebe, mais o Google te recompensa.

Por isso, o Ricotta acredita que na ferramenta possa existir algum mecanismo dentro do algoritmo que comanda o seguinte “se tiver um volume de pessoas buscando sobre um determinado assunto, e todos caem no mesmo resultado, devemos colocar por algum tempo essa página em uma posição privilegiada, para ver se mantém o volume”.

Isso porque o Google é baseado no sucesso do usuário. Se a ferramenta dificulta encontrar os melhores resultados, é uma chance muito grande do usuário demonstrar frustração com o mecanismo de busca.

Então é mais fácil ele mudar o posicionamento de um resultado por um tempo, esperar assentar o volume de pesquisa e analisar. Se as pesquisas diminuírem, ele pode colocar aquela página no local original.

O que o CEO da Mestre vê com mais certeza, é que independente das mudanças de posição dos resultados, o que você precisa analisar é o seguinte: snippets (título e description) que estão performando abaixo do esperado.

Se você conseguir identificar isso e fazer melhorias, você já vai ter mais acessos! Essa é uma mudança simples que pode ser adicionada em seu fluxo de trabalho que podem render bons frutos.

Esperamos que tenha gostado da dica! Aproveite que está por aqui e inscreva-se no canal do Mestre Academy. Assim você não perde nenhum episódio do Mestre TV!