Sejam bem-vindos a mais um episódio do Mestre TV! Neste artigo o Ricotta vai responder uma pergunta que chegou para ele lá no Instagram, que é a seguinte: quando fazer um lançamento semente e quando realizar lançamento interno?

Neste post vamos te dar dicas de como definir essa estratégia, confira!

Como começar — lançamento semente ou interno?

Contextualizando primeiro, essa visão de framework foi criada por Jeff Walker, e trazida ao Brasil pelo Erico Rocha. Os dois modelos, lançamento semente e interno fazem parte da fórmula de lançamento.

Não entraremos em detalhes sobre as características de cada um, mas se você deseja saber mais, é só pesquisar o treinamento do Erico no site “Fórmula de Lançamento”.

O ponto que queremos discutir é, quando escolher um modelo ou o outro. Afinal, essa é uma dúvida bem comum de quem está iniciando e fazendo os primeiros lançamentos.

Então vamos lá, se você está colocando um novo infoproduto no ar, o primeiro modelo que deve adotar é o lançamento semente. O Ricotta considera esta forma como o Minimal Viable Product (MVP), ou seja, o jeito mais simples de levar o seu produto para uma audiência.

Normalmente, o lançamento semente é realizado por meio de uma live. Você forma uma audiência, e diz a ela que gostaria de fornecer um conteúdo ao vivo. E qual o objetivo? É validar a oferta e vender para aquele público.

A quantidade ideal para considerar a oferta verificada é o mínimo de uma venda.

Repetir o modelo?

Após realizar essa fase, geralmente bate outra dúvida: para realizar mais vendas, devo repetir o modelo semente ou ir para o lançamento interno?

Na experiência do Ricotta, se a sua oferta ou produto ainda não estão perfeitos para a audiência, você pode repetir o lançamento semente. Ou seja, realizar outra live, ajustar a sua oferta, melhorar o conteúdo e o descritivo do produto.

E quanto tempo depois realizar a nova live? Depende da audiência que você tiver. Às vezes o problema está até mesmo no fato de que você não atraiu pessoas o suficiente para sua live, e não vendeu por conta disso.

Se você tem uma base boa de pessoas interessadas, e mesmo assim não conseguiu vender, então é preciso voltar seus olhos para o produto. Volte à etapa de pesquisa e procure novamente as dores e necessidades de seus compradores ideais.

Após fazer a oferta novamente, é interessante que você tenha um volume de vendas um pouco maior. Isso porque, desta forma, vai poder colher depoimentos.

Ou seja, no semente, uma das formas com que se posiciona é como o herói de uma jornada. Você tem um produto, um método que descobriu e foi transformado por ele. Assim, os depoimentos servem para te dar credibilidade.

Desta maneira, quando fazer o próximo lançamento, consegue sustentar que o seu produto funciona para outras pessoas.

Na opinião do Ricotta, essa é a principal diferença do lançamento semente para o interno. É conseguir validar a sua oferta, ter uma certa escala e gerar depoimentos que sustentam que seu produto realmente transforma o público.

Entenda o lançamento interno

Após passar por todo o processo que foi mencionado, podemos pensar em realizar um lançamento interno. Este modelo é mais complexo e apresenta uma série de dificuldades, pois você precisa criar uma jornada mais clara do que simplesmente uma live.

É também necessário compor modelos de conteúdo pré-lançamento, chamados de CPL’s. Adicionado a isso, é preciso produzir um vídeo de vendas e páginas atreladas de lançamento como landing pages ou fluxo de e-mails.

Os depoimentos que você conseguiu captar no semente, serão utilizados nesses materiais para enriquecer o modelo interno. Ou seja, se você não fez uma boa primeira etapa, o seu lançamento interno vai ficar muito fraco.

Em qual ponto devo partir para o modelo interno?

Outra dica a considerar, é que você só deve sair do lançamento semente após completar a sua entrega. O que isso quer dizer? Se você já divulgou todas as aulas, tem tudo na plataforma e finalizou o produto.

Isso porque na maioria dos casos, no semente, o produto ainda não está finalizado, não tem todas as aulas gravadas e materiais de apoio, por exemplo. Você vende inicialmente a ideia do produto. Se as pessoas compraram, você pode começar a produzir.

Mas por que esperar toda a entrega do lançamento semente para iniciar no modelo interno? Porque para coletar os depoimentos na primeira etapa, você precisa que a pessoa tenha visto todo o curso.

Muitas vezes, em semente, o infoprodutor pede o depoimento, mas o usuário ainda não realizou todo o treinamento. Por isso, é importante completar essa fase, ter os depoimentos, e assim, partir para o lançamento interno com esse material de divulgação pronto para ser usado.

Desta forma, terá mais credibilidade e escala em suas vendas!

Como deve ter percebido, não há um número limitador de quantos lançamentos sementes que você pode fazer. Porém, você não pode só viver disso porque é o modelo mais fácil.

É preciso entender que essa etapa funciona somente como validação do produto. Depois que você passou desta barreira, precisa migrar para o interno.

Espero que tenha gostado das dicas. Para mais conteúdo sobre marketing digital, continue acompanhando o blog da Mestre!