Olá leitores da Mestre, tudo bem com vocês? Seja bem-vindo a mais um episódio do Mestre TV! Hoje vamos falar sobre o Rel mCvR, a métrica que faz você ganhar muito mais dinheiro.

Ficou curioso? Dá o play e aprenda muito mais sobre esse assunto!

Nosso CEO, Fabio Ricotta, encontrou essa métrica fazendo estudos em marketing digital e percebeu que desde 2018 ela está sendo bastante comentada por gerar mais vendas.

Mas o que quer dizer esta sigla com nome meio estranho? O “mCvR” significa Mobile Conversion Rate, e o “Rel” indica para Relative. Em português seria algo como “Taxa Relativa de Conversão a Dispositivos Móveis”. E por que estamos tratando desta métrica? Descubra!

Como funciona a métrica Rel mCvR?

Sabemos que no mercado o uso dos smartphones está ganhando espaço cada vez maior. Segundo estudos, mais de 51% das pessoas já navegam na internet por meio de dispositivos móveis no país. No mercado americano, pessoas que fazem compras, acessam sites e fazem suas atividades no celular já chegam a cerca de 60%.

Para acompanhar esses dados, geralmente utilizamos o Google Analytics e verificamos as taxas de conversão. Para dar um exemplo, imaginamos esses dados quando tirados de um e-commerce. Podemos encontrar algo como 1.79% de taxa de conversão por meio de dispositivos móveis e 4.44% em desktop.

Referente a estes números, é comum o Fabio receber muitas perguntas do gênero “o que eu posso fazer? Minha taxa de desktop as vezes flutua e a taxa de dispositivos móveis também”. Sim, elas flutuam, e normalmente há duas variantes que podem influenciar essas taxas.

Variantes que influenciam a métrica

Os primeiros fatores que influenciam são o tipo do tráfego, a intenção do usuário ou a sazonalidade. Por exemplo, Dia dos Namorados. Sua taxa aumenta nesses períodos pois muito mais pessoas vão ter a necessidade de acessar seu site. Ou se você faz uma campanha somente para usuários desktop, vai aumentar a taxa de conversão deste meio.

As visitas orgânicas também influenciam esse número. Geralmente os conteúdos dos sites são de topo de funil, ou seja, atraem um grande volume de visitas, mas pouca conversão. Então você acaba diminuindo a taxa de conversão por canal.

Fatores ligados a performance

Dado este cenários de influências externas, outros fatores que modificam esta taxa são mais ligados à performance do site. Por exemplo, usabilidade e velocidade de carregamento.

Um exemplo aqui da Mestre é um cliente de e-commerce que trocou de plataforma e a taxa de carregamento diminuiu muito. Consequentemente, as taxas de conversão despencaram, principalmente de mobile. Ou seja, há muitas ações que podem prejudicar a taxas de conversão para dispositivos móveis e desktops, só que de formas isoladas.

Como calcular?

Quando falamos da visão do modelo Rel mCvR, não estamos olhando para mobile ou desktop. Esta taxa, na verdade, é a divisão de um pelo outro. Então você vai pegar a taxa de mobile e dividir pela taxa de desktop.

E o que isso quer dizer? A taxa que você vai acompanhar é a porcentagem desse resultado. É isso que vai mostrar o quão saudável está o seu trabalho de dispositivos móveis frente ao desktop.

Assim, você saberá se o seu mobile está equiparado, mas é normal estar em uma taxa bem abaixo, principalmente no Brasil.

Como saber se está no caminho certo?

Segundo estudos realizados nos Estados Unidos é recomendado que este número fique acima de 50%, o que quer dizer que seu tráfego está saudável e você está fazendo uma boa transição para o mobile.

A grande jogada é perceber que estamos bem no momento em que o desktop está lentamente saindo de uso, e os dispositivos móveis aumentando. E qual o grande problema? Enquanto vivemos nesta lenta mudança de um canal para outro, você não vai sentir mudança no rendimento das vendas. Isso acontece porque o desktop está caindo aos poucos.

Mas, na hora que os usuários intensificarem ainda mais o uso do mobile e o desktop despencar, sua empresa vai fazer menos dinheiro! E tudo isso por que você não melhorou a experiência em dispositivos móveis.

O indicador para evitar que isso aconteça e que você precisa acompanhar semanalmente é o Rel mCvR! Esta taxa deve estar crescendo, e não só porque o desktop caiu, mas sim porque as experiências nos dispositivos móveis aumentaram, as campanhas mobile melhoraram ou você teve uma boa sazonalidade e os acessos por celular cresceram.

Tem e-commerces que observamos que a taxa de conversão por desktop é 6% e nos dispositivos móveis está 0.60%. Ou quando alguém vai um redesign da área mobile, cai de 2% para 1.1%. E aí o cliente fala “troquei o site e estou fazendo menos dinheiro”. Mas por que isso acontece? Por que você deu uma experiência ruim nos dispositivos móveis.

Acompanhe sua taxa de Rel mCvR!

Geralmente focamos muito nos relatórios de tráfego e paramos pouco para prestar atenção nessas taxas. Por isso, quando as campanhas não estão funcionando do jeito esperado, e você vê que o Rel mCvR deu um pico do nada, vai perceber que as vezes é porque a taxa de desktop caiu.

Vai ter casos em que esses picos podem ser positivos, você fez um baita de um trabalho, está gerando melhoria, fez testes com usuário, etc.

A métrica Rel mCvR está sendo bastante observada pelos profissionais americanos, e o conselho de nosso CEO é que você comece a acompanhar ela semanalmente. É legal também você comparar um período de um ano quando tiver sazonalidade com outro.

Assim, vai ficar bastante interessante para você entender se em algum momento específico — como uma data importante — você trouxe um percentual relativo em cada um dos anos. Também vai poder detalhar e identificar qual a frente que foi trabalhada com mais qualidade, se foi mobile ou se foi desktop e se a qualidade de tráfego dos dois está boa ou não. Se você quer vender muito mais então precisa começar a acompanhar essa métrica!

Esperamos que tenha gostado! Se por acaso você acompanha outra métrica que te ajuda em seus negócios deixe aqui nos comentários que a gente quer saber.

Para mais vídeos sobre marketing digital, inscreva-se no canal do Mestre Academy!

Até terça-feira que vem!