Ética x Black-Hat – Vale Tudo para Alcançar Resultados em SEO?

Recentemente, houve uma séria discussão no Twitter a respeito de um case apresentado que mostrava um site que fornecia uma widget de um contador de visitas para quem quisesse colocá-a em seu próprio site ou blog. Por mais que uma widget apresente uma funcionalidade interessante para quem a utiliza, ela praticamente sempre é acompanhada de um link que faz a ligação para o site responsável pelo seu desenvolvimento, que onde a widget foi feita ou hospedada.

A polêmica toda aconteceu porque nesse caso específico o site http://contador.s12.com.br não colocava o link para o próprio site no código da widget, mas quando você gerava o código html para inserir no seu site ele colocava o link para um outro site com a âncora perfeita. Esse link não é fixo, quando você gera outro código, ele muda o link para outro site, e com isso ele fortalece todos esses sites. Eu não sei de quem é o site, nem como é a ligação dos sites que tem link no contador com o site principal, mas foi uma idéia diferenciada.

A Polêmica

Em conversa com o Fábio Ricotta e o Frank Marcel aqui na Agência Mestre, eu coloquei o ponto que em nenhum momento essa tática apresentava algo que feria alguma diretriz para webmaster do Google, caracterizando assim um tática totalmente legal. Se aproveitar da widget e descaso dos blogueiros e donos de sites que não davam atenção a esse link (que não era escondido) e colocavam em seus próprios sites fazendo com que os sites na rede de contadores ganhassem relevância para a palavra-chave de interesse, já não era assim tão ético.

No meu tempo de faculdade (também a Unifei), tinha um professor de uma matéria chamada Computador e Sociedade que nos fazia a seguinte pergunta em toda aula “O que é ética?”. Isso tudo me motivou a escrever esse post para que possamos discutir melhor a relação entre Ética versus Black Hat. Se aproveitar do desconhecimento de donos de blog e sites para conseguir vários links para sites que você cuida é um caso de Black Hat ou simplesmente uma tática “anti-ética”?

O que eu e o Google pensamos sobre isso

Essa é uma opinião totalmente pessoal e que nada reflete o que a Agência Mestre pensa sobre o assunto. Para mim, link é link e não acho errado basear sua tática de link building em estratégias anti-éticas, que não dão qualquer chance do Google ter motivos para punir o seu site. Porém, eu não faria nada que vá manchar o meu nome ou o nome da empresa que trabalho.

O que o Google pensa sobre isso? O Fabio Ricotta perguntou no twitter para o Pedro Dias (pessoa que cuida do time de Webspam para sites de língua portuguesa) o que ele achava dessa tática e a resposta dele foi: “@fabioricotta @ArielL estamos a par do assunto, mas temos estado a estudar alguns comportamentos primeiro. Há varias maneiras de pescar ;^)” Em resumo, “sabemos que fazem isso e por enquanto não temos como fazer nada”.

Ou seja, o Google está de olho, muita gente pode achar que isso não dá certo, mas um dos sites que são contemplados por esse sistema está em segundo lugar para a palavra “Paraquedismo” com apenas esses links, pode não ser uma palavra com muita concorrência, mas chegar ao segundo lugar sem muito esforço é altamente positivo.

O Grande Pecado do Site

O Frank Marcel levantou o ponto de que o uso excessivo de links apontados para o seu site com âncora perfeita fere as guidelines do Google e o próprio deve (ou deveria) tirar o peso desses links para o site, mas a discussão gira mais em torno da técnica em si e não do uso excessivo da mesma. Se o dono do site colocasse a âncora do link com www.nomedosite.com.br ao invés da âncora exata para a keyword que ele esta trabalhando seria uma tática totalmente White Hat. Então podemos fazer os seguintes questionamentos:

Será que ele conseguiria ter uma posição tão boa para a keyword que ele quer se não tivesse feito essa tática? Mas também podemos levantar outro ponto de vista: Será que ele conseguiria um posicionamento melhor para a keyword trabalhada, visto que o Google pode ter dado um “voto negativo” por estes links serem feitos apenas com âncoras perfeitas para o site?

Questões sobre o assunto

É importante dizer que eu acho a tática genial e que tem muita chance de dar certo. Para mim, é uma tática totalmente anti-ética que engana os webmasters que querem ter um simples contador de visitas em seus sites. Aqui eu lanço as últimas perguntas:

Você faz, ou faria algo do tipo? Ou mesmo, você condena esse tipo de tática? Certa vez recebemos um comentário em nosso blog que dizia mais ou menos isso: “Fazer white hat é muito bom, mas não comprei meu carro e meu apartamento fazendo White Hat”. Em resumo vale tudo em SEO para conseguir um bom posicionamento?

Por mais que eu acredite nessas táticas e uso de qualquer tática para conseguir links importantes, eu não arrisco o site de um cliente para conseguir rankings. Nestes casos, tem muito mais em jogo. Mas não condeno quem toma esse tipo de atitude e, infelizmente, consegue ótimos resultados. Todos tem a liberdade de fazer como preferem e sempre há o risco de acontecer algo de ruim.

Conclusões

O seu grande “inimigo” nessa história é o Google, se você não estiver fazendo nada para dar motivos para que ele possa punir seu site,  você está no caminho certo, porém é bom lembrar que estamos em um meio em que a informação chega muito rápido as telas das outras pessoas, temos que tomar muito cuidado para não fazer nada que possa manchar a própria imagem e que possa fazer com que um cliente desista de um negócio.

Lembrando também que aparentemente a tendência é que o Google esteja tirando o poder de Webmasters e SEO’s de decidir o que é importante e o que não é em cada site, e assumindo esse papel com algoritmos mais sofisticados e mais inteligentes que visam fazer com que os próprios robôs de busca decidam o que devem seguir, o que devem considerar importante e qual parte do conteúdo de um site é mais relevante.

Isso tudo faz com que muitas estratégias de caráter duvidoso sejam apenas tempo perdido contra estratégias que são tiro certo para o sucesso de um website.

Receba Novidades

Insira seu email para receber novidades e dicas exclusivas da Agência Mestre!
Divulgue este artigo

7 Comentários para “Ética x Black-Hat – Vale Tudo para Alcançar Resultados em SEO?”

  1. Rafael Silva

    Concordo praticamente com todo o texto, achei a técnica interessante (não que eu não conhecesse), achei que era quase um White Hat e também não usaria pra um cliente meu.

    É aí que está. SEO também tem seus riscos, há pessoas/sites que aceitam corrê-los e outros não. Um antigo cliente meu solicitou (veja bem, SOLICITOU) que eu utilizasse de uma técnica Black Hat para alcançar uma boa posição numa Head Tail interessante, eu expliquei a ele os riscos disso e disse que não indicava seu uso. Ele decidiu correr o risco e se deu bem com isso durante certo tempo, depois o ranking foi perdido.

    É uma questão de arriscar e aceitar o risco, talvez hoje não teríamos nem metade das técnicas de SEO (White Hat ou não) se muita gente não tivesse se arriscado e tentado algo um pouco mais “avançado”.

    Responder
  2. Adriano Rosa

    Acho que a cada dia que passa muitos descobrem SEO que parece “modinha” quando converso com algumas pessoas sobre o assunto eles já vem com as duas patas no peito para fazerem black hat e ficarem ricos…. infelizmente péssimas pessoas entram nessa area pensando em ganhar muita grana, mas não pensam em desenvolver um bom trabalho e trabalhar o conteúdo para nós seres humanos termos acesso a um material de qualidade, vejo muitos sites elaborado estrategicamente para robos. como diz nosso amigo Boris “isso é uma vergonha”

    Responder
  3. Marcelo

    Achei mesmo a idéia dessa pessoa muito boa, ela usou seu site de contador que tem um bom posicionamento, a boa idéia, a criatividade para conseguir subir seus outros sites!!

    Na minha opinião não é black hat, pois os links estão a mostra e não ocultos e só usa este contador quem quer, quem não quer, tira o link e usa apenas o contador sem propaganda.

    Agora um detalhe que achei interessante: Notei que o site http://www.paraquedismobr.com.br está hoje na página 5. Ou seja, ele recebeu punição.
    Essa atitude, na minha opinião é perigosa. Deixa uma “brecha” para qualquer pessoa usar de forma semelhante para derrubar um concorrente, criando um site parecido e gerando links semelhantes para seu concorrente ser punido.

    Responder
  4. Luis

    Bom post.
    Fiquei com uma dúvida sobre a história de linkar apenas para a âncora perfeita. Mas se a âncora perfeita for o nome do site e o domínio? Por exemplo: Se eu tivesse um site com o domínio http://www.xyz.com.br e eu sempre usasse a âncora XYZ. Seria errado?

    Responder
  5. Lucas Schirm

    Muito interessante a técnica utilizada pelo sujeito, penso que realmente há uma linha tênue entre o Black e o White Hat, o que ouvimos falar o Grey Hat.

    Acredito plenamente que trabalhar todos as 3 maneiras e cada uma em um certo nível. Pirâmide tai para isso.

    Abraços.

    Responder
  6. Jackson Jorge

    Com certeza o assunto é polêmico, mas vejo neste caso dois pontos à considerar:

    1- Quem estava utilizando o widget não pagou por ele, pegou de graça (teoricamente), e quem ofereceu visava como recompensa um link. Até aí acho justo.

    2- A falha: Está em não deixar especificado isso nos termos de uso do serviço. Cria-se o um termo que ele vai utilizar aquela ferramenta e como troca utilizaremos o espaço de links para nossos associados, patrocinadores e etc…

    Caso tivesse essas questões definidas, sinceramente eu não acho que seria desonesto aplicar a técnica, porque veja bem, se a pessoa vai clicar na palavra “Paraquedas” ela deve saber que se trata de algo relacionado, e pelo que entendi era isso que acontecia, a pessoa era direcionada para um site comercial mas referente à aquele assunto.

    Bom, essa é meu ponto de vista, não apoio de forma alguma black hat’s, mas nas condições que acabei de explicar não consigo ver como black hat.

    Responder
  7. Guido Fawkes

    Olá a todos, eu utilizo técnicas Black Hat sem problemas há muito tempo, sei fazer uso delas e se usadas adequadamente são praticamente indetectáveis.
    Além do mais é difícil dizer o que é ou não correto.

    Por exemplo, palavras chave: coloca-se meta tags, palavras no texto, no primeiro parágrafo, etc. Considera-se correto.
    Eu uso um número de palavras chaves tal que embora se repitam, não chamem a atenção, é um estudo, um cálculo.
    Qual é o limite entre correto e errado?
    Não fica sem sentido, nem duplicado, nem estranho, apenas uso a regra no limite.

    Qual a diferença entre link farm e troca de links, para mim muito pouca. Na troca de links existem muitos links para seu site, no link farm também, a diferença é que todos do link farm são meus, mas técnicamente não vejo diferença. Acho meu método de link farm mais seguro pois não faço troca entre meus sites principais e secundários, apenas jogo para eles e o google não te pune por links de outros sites sem o direcionamento inverso.

    Parabéns aos saudosistas mas pretendo iniciar no Brasil um Guia Black Hat SEO, no momento estou com um blog para sentir o tamanho do meu público mas se tudo der certo vou em pouco tempo abrir um .com.br sobre o assunto e ensinar de forma segura o uso do Black Hat, sem grosserias, como texto escondido e outros mais batidos. Será um black profissional e de qualidade, tenho estudado muito lá fora, onde esta é uma discussão bem mais aberta.

    Tenho certeza que os administradores conhecem muitas empresas que fazem uso sem nem informar ao cliente, meu primeiro site, foi prometido em um mês até a 3ª página para determinadas palavras chave e em 15 dias eu já estava na 1ª e em uma mês entre os tres primeiros lugares. Na época, nunca havia ouvido falar de Black Hat mas hoje sei que foi feito. Hoje em dia eu administro meus sites e tanto este quanto outros vão muito bem obrigado.

    Vou tentar passar às pessoas um black Hat de qualidade.
    Abs.

    Responder

Deixar um comentário

  • (não será publicado)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>