Cópia de Conteúdo

Olá leitores da Agência Mestre,

Um dos grandes problemas na Internet nos dias de hoje é o plágio ou roubo de conteúdo. Quanto mais escrevemos, existem sistemas, empresas, pessoas, focadas em replicar a mesma informação que você inseriu na rede, com ou sem intenção de prejudicar ou aproveitar do seu esforço.

Um exemplo simples nos dias de hoje é o clipping de notícias, algo tão “comum” em portais, acaba por ser uma das formas mais óbvias de replicação de conteúdo. Não vejo isto como uma “maldade” de algum portal, mas isto acaba por prejudicar a Internet como um todo.

Outro exemplo, que segue uma linha mais de aproveitamento, é a de replicadores de conteúdo. Sites como o iberoamerica.net, são alimentados por robôs, onde sua única função é copiar a matéria ou parte dela, com a intenção de lucrar com anúncios. Da mesma forma que a anterior, isto prejudica a qualidade da Internet como um todo.

Os Mecanismos de Busca

No meio de todo este caos estão os mecanismos de busca, mais especialmente o Google, com seu super robô de busca, o Googlebot, tenta identificar conteúdo na Internet, para processá-lo e disponibilizar para nós, usuários, uma informação simples e organizada.

Esta tarefa é extremamente dificultada quando se encontra a mesma informação em diversos lugares, simplesmente trocando a “casca” ou utilizando termos da própria Internet, mudando apenas o layout do website.

Diante deste dilema, o Google, principal mecanismo de busca no mundo, cria diversos algorítimos para tentar selecionar a fonte original, aquele indivíduo ou organização, responsável pela criação do conteúdo. Com isto, seu foco é apenas de oferecer aos usuários do mecanismo de busca os autores originais ou as fontes de maior confiança, sem replicar a mesma informação diversas vezes.

Mesmo que a vontade do Google seja de descobrir o autor da informação, ele ainda se limita a alguns fatores não divulgados, mas sabemos algumas formas de reforçar que ele enxergue quem é o criador do conteúdo.

Eu sou o Autor

Para exibir ao Google que você é o autor de um conteúdo podemos usar algumas fontes onde, dependendo da plataforma que você esteja trabalhando, fica mais fácil ou mais difícil.

Possui o WordPress, instale o WordPress SEO

Englobado pelo plugin WordPress SEO, o sistema RSS footer, é um dos plugins mais antigos que utilizamos aqui na Agência Mestre. Ele simplesmente adiciona uma linha em cada item do seu Feed RSS, referenciando o artigo do seu blog como original.

Por exemplo, ao publicar uma matéria aqui na Agência Mestre, existem diversos robôs que olham o nosso RSS, obtém o conteúdo do artigo e simplesmente replicam esta informação em outra página na Internet. Com o plugin ativado, a replicação do conteúdo acaba acrescentando um link para a minha página, que contém o artigo original.

RSS - WordPress SEO

É um método muito eficiente, uma vez que o Google enxergar que aquelas páginas, que possuem a mesma informação que o seu website, fazem referência ao seu website. É um belo sinal.

Não uso WordPress, mas protejo meu RSS

Ainda que você não tenha o WordPress, use a mesma ideia relatada para incrementar os seus arquivos de RSS. Acrescente sempre após cada matéria, uma referência para a URL do seu website que podemos encontrar aquele conteúdo. Desta forma você confirma ao Google quem é o autor da matéria.

Utilização de Proteção do Famoso Ctrl+C Ctrl+V

Ainda que tenhamos uma proteção para o nosso RSS, temos que nos proteger do famoso Ctrl+C Ctrl+V, que é uma das coisas mais praticadas no meio do “clipping”. Para se proteger destas cópias não autorizadas, você pode usar a ferramenta Tynt, que lhe dá a possibilidade de conseguir um link sempre que alguém copiar o seu conteúdo.

O que o Tynt faz é simples, toda vez que alguém usa o Ctrl+C Ctrl+V ele insere um link no final para o seu artigo, assim quando a pessoa publicar em outro website a sua matéria, ele irá conter uma referência para o conteúdo original.

Tudo o que você precisa fazer é se registrar no website, inserir o Javascript antes da sua tag BODY e pronto!

Informando ao Google pelo Sitemap.XML

Outra forma eficiente de se ter a autoridade necessária para o seu conteúdo é criando o arquivo de Sitemap.XML. Com ele você informa aos mecanismos de busca, Google e Bing, quais são as suas páginas, além de informar quando você tiver uma nova página publicada.

Para isto, você precisa criar o arquivo e enviá-lo através do Google Webmaster Tools e do Bing Webmaster Tools. Você pode ainda referenciar através do arquivo de robots.txt, como fazemos aqui na Agência Mestre.

Informação do autor por rel=author

A marcação de autor teve seu suporte anunciada em Junho de 2011 pelo Google, onde o mesmo deu meios para os webmasters em combinação com o Google+, sua plataforma social. Com algumas pequenas conexões de HTML e configuração na rede social, você consegue mostrar ao Google, que existe uma pessoa por trás daquele conteúdo, referenciando o seu perfil no Google+:

Implementação do rel author

Este tipo de marcação, ainda que não tenha confirmação do Google, pode ser um belo sinal para atestar que existe sim uma pessoa e não um robô, além de se verificar a autoridade da pessoa que está publicando aquele conteúdo.

Por exemplo, se eu sou uma pessoa “conhecida” pelo Google, como criador de conteúdo original, ele provavelmente dará os créditos da matéria para o meu portal. Já um usuário, “conhecido” por cópia de conteúdo e spam no Google+, não conseguirá a mesma autoridade.

Fatores Sociais

Ainda que não confirmados também, quanto mais sinais sociais o seu artigo receber, maiores as chances de você estabelecer o seu conteúdo como o original. Desta forma, não esqueça de posicionar botões de compartilhamento social próximo ao seu conteúdo, pois eles acabam por gerar referências para aquele conteúdo publicado em seu website.

Conclusões

Apesar da feroz competição por quem exibe a informação primeiro, o Google nos dá armas para mostrar quando realmente produzimos algo original. Basta um pouco de concentração e esforço para conseguir mostrar aos poucos, que você é o dono do que produz. Ainda que você decida não dar tantos sinais ao Google, eu recomendo, ao menos, vincular os seus artigos ao Google+ com a tag rel=author. Ela promete bastante.

Espero que tenham gostado destas dicas e até o próximo artigo!

Créditos da imagem para Cayusa.