Um dos caminhos mais fáceis a se seguir para conseguir links é através de links recíprocos, ou troca de links, ou, em inglês, link exchange. Como sabemos, além da linkagem interna, receber links externos, ou seja, de outros domínios (sites/blogs), é importante para um bom posicionamento de sites nas buscas. Mas por que esse método é tão usado? Como funciona? E por que tomar cuidado com links recíprocos?

O que são Links Recíprocos?

Em inglês, são também chamados de reciprocal links, uma tradução exata do termo, links recíprocos consistem de um número de sites que se interlinkam ou um único site que troca links exclusivos com outros sites.

Esquema de Links Recíprocos

O processo para se formarem links recíprocos é muito simples: normalmente o webmaster de site ou blog entra em contato com outro e oferece um link para ele, pedindo em troca um linkback, um link para ele mesmo a partir do site ou blog deste outro webmaster.

Isso costuma funcionar muito bem. Como todos estão interessados em conseguir links, nada mais justo do que uma troca de links, assim, ninguém sai “mais favorecido” que o outro. Os dois ganham links e pronto.

Algum tempo atrás isso fez popularizar os Rings ou anéis/alianças de sites em que todos linkavam um para os outros, normalmente por meio de banners, gifs animadas ou imagem que eram os logos desses sites. Ainda hoje, isso existe e muitos sites e blogs participam de esquemas assim.

Para os mais familiarizados com SEO, isso já acendeu o sinal de alerta, certo?

Links Recíprocos Demais – Tome Cuidado

Para os menos familiarizados com técnicas de otimização de sites, o alerta, aqui, fica por conta do chamado link farm, “fazendinhas de links”. Link farm define um conjunto de sites que linkam um para os outros ou um conjunto de sites que linkam todos para um só site, também chamados de doorway pages. O ponto importante a se observar: Link Farms são punidas pelo Google.

Esquema de Link Farm

Pois bem, recentemente, o Matt Cutts fez uma enfatizada ressalva sobre “evite o uso de links recíprocos” na sua campanha de Link Building. O que para ele representou essa significativa mudança foi a adição do termo “em excesso”, ou excessivamente, ficando então “evite o uso de links recíprocos excessivamente” em sua campanha de Link Building. Isso faz toda a diferença.

Quer dizer então que o uso de links recíprocos para o Link Building do meu blog está liberado? Não! E sim. O que está dito nas guidelines do Google é que é normal que aconteçam links recíprocos na Internet. Sem dúvida, procurando pelo diretório de sites do Google, será encontrado um link para o Yahoo! e, no diretório do Yahoo!, um link para o Google.

A questão é que são links relevantes, que vão realmente ajudar ou completar o processo de informação do visitante do site.

Recentemente, um visitante aqui do Blog do Agência Mestre, o Luis, perguntou se haveria uma quantidade de links permitidos por IP em um post meu sobre Link Building. É aqui que entra a questão que você já está se perguntando: quanto é “excessivamente”?

Essa resposta eu vou ficar devendo. O Matt Cutts e o Google acreditam que as pessoas têm a noção do que é excessivo e vão saber quando estiverem próximos do limite.

Valide seus Links Recíprocos

Ainda, o Matt Cutts avisa que um portfolio de links sobrecarregado de links recíprocos acende a luz de alerta no Google. Ou seja, você tem sim o seu limite de links recíprocos: até uma certa quantidade você realmente está livre de punições. É aí que entra a parte de “evite o uso excessivo de links recíprocos”: investir todos seus esforços para conseguir links exclusivamente através da troca de links não será muito saudável. Não é natural que todos (ou a maior parte de) seus links sejam recíprocos.

Hoje em dia eu não vejo mais tantos sites envolvidos em alianças ou coisas do gênero, talvez realmente isso tenha perdido o seu valor. Alguns anos atrás isso era muito frequente.

A princípio, links recíprocos deveriam acontecer dentro do processo natural de descobertas na Internet, e não por pedidos e trocas objetivando ganhar um novo link. Um ponto muito interessante de se refletir quando é hora de decidir entre fazer ou não a troca de links é: Se não houvesse search engines e eu não precisasse de links para as search engines eu faria a troca de links?

Você deve se perguntar se o site para o qual você vai linkar realmente vai ajudar os seus visitantes, se você mesmo visitaria, e por consequência, recomendaria o site. Isso é um link: uma recomendação que você faz ao seu visitante.

Não é que os links recíprocos estejam liberados ou que sejam definitivamente proibidos. Mas se for fazer, tente focar a qualidade e a importância, para o visitante, de visitar tal site.

Abraços e até a próxima!