Quem chamou de “sexo frágil”, não conhecia a força e a inteligência das mulheres. Por mais que muito ainda precise melhorar neste cenário, a representatividade feminina no mercado digital vem ganhando força nos últimos anos. Que tal conversarmos sobre este assunto?

O mercado e as empreendedoras criativas

Fugindo do esteriótipo dos universos de beleza e moda, as empreendedoras criativas têm dominado diversas áreas do mercado. Quando o assunto é a criação de novos negócios, os homens já ficaram para trás.

Segundo o estudo Global Entrepreneurship Monitor 2016, também coordenado pelo Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), os dados apontam o sucesso de 15,4% de empresas lideradas por mulheres, frente a 12.6% por homens.

Por outro lado, abordando a liderança nas empresas, a igualdade ainda está distante — já que as mulheres ocupam somente 37% dos cargos de chefia, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por isso, ainda precisamos buscar mais inspirações e realizar mudanças práticas para ver esta realidade melhorar.

Vamos conhecer a história de algumas empreendedoras de sucesso que têm ajudado a mudar essa história?

Ana Lúcia Fontes — Rede Mulher Empreendedora

Ana é de Alagoas e mudou-se para São Paulo junto com seus pais há alguns anos. Fez duas graduações, trabalhou em uma grande corporação, mas, com o tempo, decidiu abrir seu próprio empreendimento. Essa experiência a fez começar a lidar com questões e desafios do cenário de novos negócios e, como uma boa representante das empreendedoras de sucesso do nosso país, buscou medidas para ajudar quem se aventura no meio, independentemente de seu ramo.

Hoje, Ana Lúcia Fontes, além de palestrar e prestar consultoria, está à frente da NATHEIA – Coworking e Eventos, um espaço profissional para quem precisa de um ambiente para trabalhar, fazer reuniões e eventos, mas ainda não pode arcar com custos maiores para a própria empresa. Também foi a fundadora e é líder da Rede Mulher Empreendedora, a primeira plataforma de apoio ao empreendedorismo feminino do Brasil.

Ou seja, os dois projetos efetivos da empresária ajudam a dar base para quem deseja crescer no mercado. Pensando não apenas em seu próprio sucesso, mas no que poderia fazer por todos e pelo empoderamento das mulheres, Ana Lúcia se tornou uma inspiração.

Seu portal on-line reúne ótimos conteúdos de capacitação e já tem parceria com grandes empresas que atuam fortemente no digital, como Facebook, Google, Avon, Natura, Itaú, PANDORA, Apex, Unilever, entre outros.

Nathalia Arcuri — Me Poupe

Mais uma inspiração brasileira de mulher que ajuda a fomentar o mercado. Nathalia Arcuri, jornalista e idealizadora do canal Me Poupe!, cria conteúdos em diversos canais para instruir as pessoas sobre o mercado financeiro.

A comunicadora, além de desenvolver vídeos e artigos sobre como começar a investir e outros temas do segmento, já lançou um livro “Me poupe! 10 passos para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso” e um curso sobre finanças, mindset e investimento.

Ter uma mulher como um dos pontos de destaque desta área dá mais força ao processo de empoderamento feminino no mercado.

Eliane Dias — Boogie Naipe

Eliane Dias, gestora da Boogie Naipe — produtora dos Racionais —, não poderia ficar de fora da nossa lista de empreendedoras criativas para se inspirar.

Com uma história de dedicação em cada etapa, desde ler seu primeiro livro que foi encontrado no lixo, até passar por diversos assédios durante sua carreira de modelo e por muitos desafios para estudar e se graduar em Direito, ela é uma grande referência de força e personalidade em meio a um segmento majoritariamente masculino.

Quem disse que uma mulher não poderia estar à frente de uma produtora de rap? Os Racionais não tinham o suporte que precisavam para ganhar destaque na internet — não contavam com uma boa assessoria, nem mesmo com site. Hoje, a banda tem sua estrutura organizada e já conta com um fruto do trabalho de Eliane, um novo disco depois de 12 anos sem um lançamento com este.

Luiza Helena Trajano — Magazine Luiza

Uma das maiores lojas de varejo do Brasil tem em sua presidência uma mulher que entende não somente de estratégias para os pontos de venda, como atua fortemente em canais digitais.

Luiza Helena Trajano, a CEO do Magazine Luiza, atua na empresa desde seus 12 anos de idade, quando aproveitou suas férias para ajudar sua tia — também chamada Luiza, que deu nome à loja de sucesso até hoje.

Em diversas entrevistas e palestras, a empresária afirma que muito aprendeu no dia a dia, com as experiências de erros e acertos. Porém, uma de suas características marcantes é o interesse por novos conhecimentos, por isso, formou-se em Direito e valoriza eventos e instituições educativos.

Mesmo não sendo sua expertise, buscou informações sobre a internet e foi a pioneira de seu segmento a atuar on-line. Até hoje, o Magazine Luiza é uma empresa que inova em suas ações digitais e, mesmo já sendo um negócio de grandes proporções que se expandiu pelo Brasil e pela web, não para de crescer.

Luiza é a responsável por estruturar a cultura da companhia e por impulsioná-la a deixar de ser apenas uma “empresa familiar” para se tornar uma gigante do mercado.

Melanie Perkins — Canva.com

Empreendedoras criativas desenvolvem soluções e ajudam a tornar o mercado mais acessível.

Melanie Perkins, criadora do Canva.com, desenvolveu uma plataforma on-line para ajudar pessoas a criarem o design de seus produtos digitais — desde logotipos, panfletos, folders, até layouts de apresentações de slides e de publicações para redes sociais.

Quem não trabalha com esse tipo de arte, sabe que pode ser difícil criar conteúdos visuais. A ferramenta conta com modelos personalizáveis que são de grande ajuda para quem deseja ter seus materiais com um design bonito e, melhor do que isso, com um aspecto profissional.

A australiana, com apenas 19 anos já dava aulas e, hoje, aos 30 é uma referência quando pensamos em startups de sucesso.

Inspiração, empoderamento e mudanças

Agora que você conhece a nossa lista de empreendedoras criativas para se inspirar, passou por duas fases importantes:

  • inspiração — conheceu histórias e exemplos incríveis;
  • empoderamento — entendeu a importância de empoderar e compartilhar conhecimentos para fortalecer o mercado.

A próxima fase, a de mudanças, virá como um resultado depois das duas primeiras. O importante é desenvolvermos essa cultura e fazer dela um ciclo. Assim, surgirão cada vez mais empreendedoras criativas que irão ocupar lugares de destaque no mercado.

Gostou? Compartilhe e ajude a propagar essa ideia!