Google: Resultados mais personalizados

Olá leitores da Agência Mestre,

Na última semana presenciamos uma notícia que promete revolucionar a forma com que buscamos informação no Google: teremos resultados mais personalizados quando buscarmos algo. A ideia parece bem simples, mas o que o Google está fazendo é unir o que todo mundo sempre pediu, os melhores resultados escolhidos por um algoritmo com os dados de sua rede social, o Google+.

O interessante aqui é analisar esta mudança pelos olhos de um profissional de Search e é exatamente como eu me vejo no momento e muitos de vocês também. Todos estamos parando para pensar: como esta mudança afeta o meu trabalho?

A era dos links acabou?

A primeira coisa que muitos profissionais de SEO podem pensar é que tudo o que eles conheciam, em termos de ganhar relevância, estão com os dias contados. O chamado “link builder”, com suas técnicas mirabolantes para angariar links, está praticamente contando os dias para pegar o seu FGTS e investir em outra área. Tudo isso pois, segundo alguns visionários, o dia dos links está contado, agora o mundo é social! Será?

O que me vem em mente é que este tipo de análise ou previsão é muito errada. A noção do que se está fazendo está errada. Quando falamos em link building, falamos de estratégias para criar mais conexões para uma marca, pessoa, empresa, website, não apenas para “melhorar o posicionamento no Google”, mas sim para angariar mais pessoas, para que conheçam a marca, e que se transformem em conversões, gerando receita para o dono do negócio. Isso é SEO! Não ganhar links de forma aleatória.

Sejamos razoáveis. Vocês realmente acham que a profissão, que cria conexões para as pessoas encontrarem a sua marca está fadada à extinção? Lógico que não! A Internet é uma rede de documentos conectados por links.

A personalização tem sentido até onde?

A questão de personalização só faz sentido em áreas que você já conhece, diferente de algo que você não domina, onde os resultados tradicionais são melhores. Um exemplo simples é a busca por um serviço de dedetização. Quem, no mundo, irá compartilhar que livrou a sua casa de cupins e agora está satisfeito. Outro exemplo é o caso de manutenção de ar condicionado. Você vai compartilhar na rede social que a empresa XYZ é a “melhor do mundo” pois ajustou o seu ar condicionado?

Pensando bem, seriam poucas as pessoas que colocariam isto em uma rede social. Pare e pense, quantas vezes você já viu isso no Facebook ou no Twitter. Eu, nunca.

Não me entendam mal, mas você até pode ter alguém em seu círculo social, que tenha este compartilhamento, mas o grande ponto, é que para atender certos nichos, o seu círculo terá que ser muito extenso para influenciar os resultados que aquele usuário está vendo.

Ainda que tenhamos pontos negativos, temos que admitir, que para a maioria dos casos, como mostra o vídeo abaixo, a personalização vai ser uma coisa linda, vai mudar a forma com que temos uma informação dos mecanismos de busca.

Ela vai mudar, e muito, a forma com que nós, profissionais de search, vamos trabalhar nos próximos anos. Admita.

Então eu preciso me preocupar já?

A grande pergunta aqui que você deve fazer é: será que a minha mãe vai usar este novo recurso? Sério mesmo. A “brincadeira” da mãe é real. A minha, está hoje em uma cidade do interior de Minas Gerais, com o seu notebook navegando na Internet, e passa mais de 80% do seu tempo online no Facebook!

Mas ela tem Google+? É esta a pergunta que você está fazendo agora. E eu digo: Não! Ela já me perguntou o que é, mas não se sentiu interessada. E sabe o porque dela ter um Facebook, de não usar mais o Orkut e nunca ter criado o seu Google+: o seu círculo social não está nesta rede.

É duro, um profissional do Google ler isso, mas é a mais pura verdade. Não sei se a rede de amigos da minha mãe irá para o Google+. Qual vantagem eles tem? Qual o grande motivo que os fará mover tudo o que possuem no Facebook para o Google+. Bom, esta tarefa é para o Google, a minha é de dizer que não precisamos mudar tudo o que fazemos para focar o trabalho no Google+.

Então a personalização não vai adiantar nada?

O ponto aqui é que a personalização só vai fazer sentido se você tiver uma interação com o Google+. O seu mundo precisa estar dentro do Google+, para que algo mágico aconteça para você.

Então, preste muita atenção no seu nicho e responda: ele está no Google+? Hoje, para a Agência Mestre a resposta é SIM e eu preciso estar no Google+ desde “ontem”. Mas será que o seu público de receitas, ou ainda de reviews de filmes está lá? Olhe, observe, investigue o Google+. É de graça.

E como eu posso aproveitar dessa viralização?

Temos que pensar agora como um “SEO+”, o novo profissional do mercado! O objetivo é mudar algumas estratégias, focando cada vez mais peças que viralizem, que influenciem pessoas a compartilharem com seus amigos, seja no Google+ ou em seus blogs, MSNs, Skype, ou de qualquer forma que traga referências.

Todo o trabalho passa a ser direto e indireto. O que motivar uma pessoa a compartilhar diretamente no Google+ irá ajudar o seu website logo naquele momento. O motivo que fizer ele compartilhar em outro canal (ex.: rede social, blogs, etc), com certeza irá trazer novas pessoas para conhecerem a sua marca e, em um segundo momento, elas poderão compartilhar dentro do Google+.

Esta é a maravilha do negócio, tudo está conectado, quando você fizer um bom trabalho viral.

Conclusões

Ainda que o Google nos mostre a ponta do iceberg do nosso futuro, é importante saber que os nossos resultados não serão personalizados diretamente. Isto somente estará ativo se você possuir uma conta no Google+ ou seus amigos, aí sim você poderá ser influenciado, caso ative o novo botão de personalização.

São muitas as variáveis para que este maravilhoso mundo do Google tome conta dos nossos dias. Ainda que seja lindo, saber que a minha mãe poderá ter resultados mais relevantes no futuro, hoje ainda temos um algoritmo falho, capaz de entender simples links, sem pensar o quanto de tráfego qualificado eles trazem, e assim melhorar um posicionamento de uma página. Simplesmente porque o link existe, a minha página melhora, e não porque ele é um link com sentido, que me traz engajamento.

O Google é falho ainda e será por muito tempo. Alguns irão aproveitar, outros irão pensar em futuro. O futuro já sabemos que será do SEO+, mas e o presente? Eu, em certos casos, recomendo que você pense: qual deles paga as suas contas hoje?