SEO+, o Profissional do Futuro

Google: Resultados mais personalizados

Olá leitores da Agência Mestre,

Na última semana presenciamos uma notícia que promete revolucionar a forma com que buscamos informação no Google: teremos resultados mais personalizados quando buscarmos algo. A ideia parece bem simples, mas o que o Google está fazendo é unir o que todo mundo sempre pediu, os melhores resultados escolhidos por um algoritmo com os dados de sua rede social, o Google+.

O interessante aqui é analisar esta mudança pelos olhos de um profissional de Search e é exatamente como eu me vejo no momento e muitos de vocês também. Todos estamos parando para pensar: como esta mudança afeta o meu trabalho?

A era dos links acabou?

A primeira coisa que muitos profissionais de SEO podem pensar é que tudo o que eles conheciam, em termos de ganhar relevância, estão com os dias contados. O chamado “link builder”, com suas técnicas mirabolantes para angariar links, está praticamente contando os dias para pegar o seu FGTS e investir em outra área. Tudo isso pois, segundo alguns visionários, o dia dos links está contado, agora o mundo é social! Será?

O que me vem em mente é que este tipo de análise ou previsão é muito errada. A noção do que se está fazendo está errada. Quando falamos em link building, falamos de estratégias para criar mais conexões para uma marca, pessoa, empresa, website, não apenas para “melhorar o posicionamento no Google”, mas sim para angariar mais pessoas, para que conheçam a marca, e que se transformem em conversões, gerando receita para o dono do negócio. Isso é SEO! Não ganhar links de forma aleatória.

Sejamos razoáveis. Vocês realmente acham que a profissão, que cria conexões para as pessoas encontrarem a sua marca está fadada à extinção? Lógico que não! A Internet é uma rede de documentos conectados por links.

A personalização tem sentido até onde?

A questão de personalização só faz sentido em áreas que você já conhece, diferente de algo que você não domina, onde os resultados tradicionais são melhores. Um exemplo simples é a busca por um serviço de dedetização. Quem, no mundo, irá compartilhar que livrou a sua casa de cupins e agora está satisfeito. Outro exemplo é o caso de manutenção de ar condicionado. Você vai compartilhar na rede social que a empresa XYZ é a “melhor do mundo” pois ajustou o seu ar condicionado?

Pensando bem, seriam poucas as pessoas que colocariam isto em uma rede social. Pare e pense, quantas vezes você já viu isso no Facebook ou no Twitter. Eu, nunca.

Não me entendam mal, mas você até pode ter alguém em seu círculo social, que tenha este compartilhamento, mas o grande ponto, é que para atender certos nichos, o seu círculo terá que ser muito extenso para influenciar os resultados que aquele usuário está vendo.

Ainda que tenhamos pontos negativos, temos que admitir, que para a maioria dos casos, como mostra o vídeo abaixo, a personalização vai ser uma coisa linda, vai mudar a forma com que temos uma informação dos mecanismos de busca.

Ela vai mudar, e muito, a forma com que nós, profissionais de search, vamos trabalhar nos próximos anos. Admita.

Então eu preciso me preocupar já?

A grande pergunta aqui que você deve fazer é: será que a minha mãe vai usar este novo recurso? Sério mesmo. A “brincadeira” da mãe é real. A minha, está hoje em uma cidade do interior de Minas Gerais, com o seu notebook navegando na Internet, e passa mais de 80% do seu tempo online no Facebook!

Mas ela tem Google+? É esta a pergunta que você está fazendo agora. E eu digo: Não! Ela já me perguntou o que é, mas não se sentiu interessada. E sabe o porque dela ter um Facebook, de não usar mais o Orkut e nunca ter criado o seu Google+: o seu círculo social não está nesta rede.

É duro, um profissional do Google ler isso, mas é a mais pura verdade. Não sei se a rede de amigos da minha mãe irá para o Google+. Qual vantagem eles tem? Qual o grande motivo que os fará mover tudo o que possuem no Facebook para o Google+. Bom, esta tarefa é para o Google, a minha é de dizer que não precisamos mudar tudo o que fazemos para focar o trabalho no Google+.

Então a personalização não vai adiantar nada?

O ponto aqui é que a personalização só vai fazer sentido se você tiver uma interação com o Google+. O seu mundo precisa estar dentro do Google+, para que algo mágico aconteça para você.

Então, preste muita atenção no seu nicho e responda: ele está no Google+? Hoje, para a Agência Mestre a resposta é SIM e eu preciso estar no Google+ desde “ontem”. Mas será que o seu público de receitas, ou ainda de reviews de filmes está lá? Olhe, observe, investigue o Google+. É de graça.

E como eu posso aproveitar dessa viralização?

Temos que pensar agora como um “SEO+”, o novo profissional do mercado! O objetivo é mudar algumas estratégias, focando cada vez mais peças que viralizem, que influenciem pessoas a compartilharem com seus amigos, seja no Google+ ou em seus blogs, MSNs, Skype, ou de qualquer forma que traga referências.

Todo o trabalho passa a ser direto e indireto. O que motivar uma pessoa a compartilhar diretamente no Google+ irá ajudar o seu website logo naquele momento. O motivo que fizer ele compartilhar em outro canal (ex.: rede social, blogs, etc), com certeza irá trazer novas pessoas para conhecerem a sua marca e, em um segundo momento, elas poderão compartilhar dentro do Google+.

Esta é a maravilha do negócio, tudo está conectado, quando você fizer um bom trabalho viral.

Conclusões

Ainda que o Google nos mostre a ponta do iceberg do nosso futuro, é importante saber que os nossos resultados não serão personalizados diretamente. Isto somente estará ativo se você possuir uma conta no Google+ ou seus amigos, aí sim você poderá ser influenciado, caso ative o novo botão de personalização.

São muitas as variáveis para que este maravilhoso mundo do Google tome conta dos nossos dias. Ainda que seja lindo, saber que a minha mãe poderá ter resultados mais relevantes no futuro, hoje ainda temos um algoritmo falho, capaz de entender simples links, sem pensar o quanto de tráfego qualificado eles trazem, e assim melhorar um posicionamento de uma página. Simplesmente porque o link existe, a minha página melhora, e não porque ele é um link com sentido, que me traz engajamento.

O Google é falho ainda e será por muito tempo. Alguns irão aproveitar, outros irão pensar em futuro. O futuro já sabemos que será do SEO+, mas e o presente? Eu, em certos casos, recomendo que você pense: qual deles paga as suas contas hoje?

Receba Novidades

Insira seu email para receber novidades e dicas exclusivas da Agência Mestre!
Divulgue este artigo

25 Comentários para “SEO+, o Profissional do Futuro”

  1. SiD Menezes

    Concordo com você.

    Vou pensar no agora e quando o futuro chegar eu penso nele!

    Mantendo o trabalho e pensando em fazer uma melhor experiência de navegação para o usuário, você vai ganhar seus +1, likes e retweets naturalmente.

    Responder
  2. Thiago

    Concordo Plenamente, ainda o Algorítimo é falho permitindo e dando relevâncias para links e densidade da keyword, para mim isso está muito claro no #desafiomestreseo.

    O que paga a minha conta hoje? (Ótima Pergunta)
    O mercado que eu atuo no interior os Links Manuais funciona muito bem, independente onde esteja o link ou o quão profundo esteja na arquitetura do site….É UM LINK E CONTA SIM!!!

    Responder
  3. Leonardo

    Salve, Ricotta!
    Não é apenas a rede de sua mãe. Em meus círculos são poucos os que estão realmente ativos, na sua maioria SEO’s, etc. Penso na máxima de criar um bom conteúdo, que automaticamente será compartilhado. E, talvez, incetivar(ainda mais) uma marcação +1. Mais ou menos como fazemos com likes e rt’s.
    De qualquer forma, ainda é preciso analisar a quantidade de pessoas que utilizam o Google logados e que irão ficar buscando indicações, entre outras coisas.
    É preciso estar ligado, acompanhando, mas não é preciso sair alterando tudo por conta disso.
    Abz,
    Leonardo

    Responder
  4. Nelson Schuck

    Ótimo artigo Fábio, não adianta pensar muito no futuro e não gerar uma receita ao seu cliente, pois assim algumas empresas podem não chegar até esse futuro.

    Muitos dizem que os métodos antigos não funcionar, mais a maioria das formas antigas mudou foi a forma de ser feito, mais diversas das antigas estratégias continuam a dar resultados significantes na busca.

    Abraços e um ótimo 2012.

    Responder
  5. Guto Moniz

    É algo que comentei quando saí do curso da Agência Mestre: Muita gente preocupada com a ferramenta, com o código que vão usar e se esquecendo do Planejamento de Marketing. Eu agregaria uma estratégia no Plus como exatamente o nome sugere: algo a mais. Não como somente uma ferramenta diferente, mas uma estratégia combinada com tudo que já foi feito.

    Responder
  6. Luiz CarlosConte

    Caro Fábio, venho acompanhando a alguns dias todo o movimento em torno do Search + e sua visao holística e simplificada da coisa torna mais fácil para o grande público entender a tendência. Como vc falou acima , A Internet é uma rede de documentos conectados por links. Ainda pagaremos por um tempo as nossas contas utilizando o bom e velho SEO, mas não pra sempre. Abcs e parabéns pelo artigo.

    Responder
  7. Thiago Dias

    Ótimo post, realmente muito bom. Concordo com basicamente tudo no ponto de vista geral.

    Um ponto importante que ainda não concordo com você quando diz, no final, “hoje ainda temos um algoritmo falho, capaz de entender simples links, sem pensar o quanto de tráfego qualificado eles trazem, e assim melhorar um posicionamento de uma página. Simplesmente porque o link existe, a minha página melhora, e não porque ele é um link com sentido, que me traz engajamento.”

    O Google precisa entender esses links, e dar valor em “simples links” porque queira ou não é “alguém” indicando X site. Nem todos os sites trazem milhares de visitas diárias. Existem sites com pouco tráfego, mas só de ter um link, acredito que isso seja o suficiente pra dizer que já é um a indicação.

    Pensando em alguns nichos específicos, por exemplo, no ramo de Desentupidora. Como vamos ganhar link VIRAL de qualidade e que traz tráfego? Talvez seja questão de estratégia e planejamento, mas é dificil pensar por esse lado. Igual você disse. Talvez um link que vai trazer qualidade e tráfego seja alguém nas rede sociais falando sobre X empresa fez um ótimo trabalho e postar um link. Mas isso soa quase como SPAM hoje em dia.

    Mesmo que UM simples link, o Google ainda deve olhar por eles. Poque é uma indicação e acredito que isso vale de algo.

    Responder
  8. Charles David Web

    Na verdade o Facebook é muito mais útil do que o google plus, mas atualmente na área de SEO que manda é o google, temos que continuar e ir adaptando-se ao google plus, mesmo com as falhas existentes.
    Vou passar a verificar mais o google plus e tirar conclusões entre o Facebook e google+

    Responder
  9. Raul Vargas

    Belíssimo post! Exemplifica tudo sobre essa nova onda de mudanças do Google +!

    Era visto que cedo ou tarde o Google daria um jeito de colocar a sua rede social nos resultados, visto que ele ainda precisa de visibilidade e principalmente, USABILIDADE e AFINIDADE com os usuários.

    Uma colocação do Ricotta que achei certíssima foi a pergunta da mãe – vejo isso porque nós da atual geração somos os “pais” do futuro – estamos criando agora o que mudará no SEO+ do futuro.

    Mas para os dias de hoje? Só se o SEU público está no Plus vale a pena começar a queimar alguns (nem todos) nerônios.

    Parabéns meu amigo! Como sempre belos artigos!

    Raul Vargas

    Responder
  10. Joubert Barbosa

    Parabéns pelo artigo.

    Penso de forma muito parecida. Em realidade não encontrei motivo para que os profissionais de SEO ficassem preocupados com essa mudança. Embora as mudanças na web provoquem ações rápidas, é importante termos ciência de que as coisas – salvo raríssimas exceções – não mudam da noite para o dia.

    Lembro de ter há um tempo atrás falado com uma amiga de faculdade sobre as maravilhas do Facebook. Embora concordasse comigo, ela argumentou que o fato dos amigos dela não usarem muito o Facebook contribuía para ela permanecer no Orkut.

    Hoje, ela e outros tantos estão no Facebook. Essa mudança ocorreu meses após a conversa mencionada. Isso provavelmente serve como base para a questão apresentada nesse texto.

    Então, como defendido no artigo, é importante que procuremos nos adequar às mudanças. Mas, não há motivo para desespero. Vamos trabalhar e focar em oferecer o melhor serviço possível.

    Nós da 4Cliques pensamos dessa forma, e acredito que outros deveriam pensar da mesma forma.

    Abraço.

    Responder
  11. Haziel

    não sou nenhum especialista em internet,somente um curioso,mais este g+ tem limites de círculos a 5000, pois tentei simplesmente adicionar somente os meus contatos, do próprio gmail ,e o G+ não suportou, trabalhar com internet restrito a 5000 pessoas,essa e a quantidade de pessoas da minha empresa

    Responder
  12. Natanael Oliveira

    Acompanhei suas publicações no Twitter falando acerca desse assunto. De fato, todas as vezes que surge alguma atualização/alteração rapidamente comentários como esse relacionado ao fim da era dos links começam a surgir rapidamente.

    Lembro-me do Google Panda e o desespero de várias pessoas, nesse momento temos pessoas preocupadas com o futuro do profissional de search, afinal, a busca vai ser social e totalmente influenciada pelos nossos círculos. Minha mãe não está no Google+ e vou mais além… Parem e pensem em quantas pessoas hoje configuram as opções de busca?

    Quantas pessoas utilizam a busca avançada do Google? Será que as pessoas realmente terão o trabalho de personalizar toda uma busca? Será que os usuários terão o trabalho de indicar todos os serviços e produtos? Falar de todas as suas experiências?

    Responder
  13. Rafael Davi Hack

    Concordo Fabio, acho que acho a plataforma do Google+- é bem interessante mais o que todo empreendedor sabe é que o pioneirismo é essencial para um negocio dar certo e o facebook foi pioneiro, convencer o pessoal a migrar para o + vai ser complicado para a Google, na minha opinião só através de conteúdo como show e eventos exclusivos para quem tem conta no plus podem influenciar as pessoas a aderir, o Google esta com uma estrutura física maior e a mais tempo no Brasil e deve usar isso como diferencial na promoção de conteúdo para seus usuários!
    Um abraço a todos

    Responder
  14. Moabe

    eu só acho uma coisa, as pessoas usam a internet para reclamação dos produtos, então elas não irão postar que estão “satisfeitas com a empresa de cupins”, mas se não estiverem satisfeitas irão postar pra todo mundo ler, pra muito provavelmente se sentirem minimamente satisfeitas, então antes de pensarmos na busca personalizada precisamos agradar o nosso cliente, para que ele não reclame da nossa empresa e assim prejudique a imagem no google.

    Responder
  15. Anderson Fagundes

    Acho que assim como a 2-3 anos atrás o meu círculo de amigos estava no orkut e eu estava investindo em uma rede nova chamada Facebook, nada impede o Google+ de receber novos usuários com o tempo, até porque ainda é muito novo por aqui e o brasileiro é resistente. Mas concordo que se a minha rede (ou círculos) de conhecidos não estiver no G+ o efeito será bem baixo no início.

    Porém, o resultado personalizado é default, ou seja, ao realizar a busca o resultado padrão é o que considera fatores personalizados e sociais. Para acessar o bom e velho resultado orgânico precisaremos clicar no botão e o Google trará os resultados solicitados. Pra que isso aconteça as nossas mães terão que: 1º enxergar o botão de opção; 2º saber pra que ele serve.

    O lado bom destas atualizações chegarem atrasadas no Google BR é que podemos acompanhar o lançamento e primeiros resultados no Google.com (que já está funcionando, podem fazer buscas logados pra ver o resultado. Recomendo testar a kw [SEO]). Talvez o momento seja de analisar como os perfis do G+ se comportarão na SERP, pensar em otimização destes perfis e, o mais importante, de aceitar de uma vez por todas que o SEO é relacionamento, cada vez mais. Então olhar o SEO por este lado e trabalhar seu conteúdo para ser digno de tweets, shares, likes e +1’s, e por aí vai…

    Responder
  16. Leo MarCos

    Acho que o Google está no caminho certo para se tornar a organização mais odiada do mundo.

    Isso para mim soa como uma espécie de ditadura que o Google está pretendendo implementar, já que claramente estão favorecendo seus próprios interesses.

    Talvez seja uma teoria conspiratória minha, mas tenho notado que, depois do “panda”, o Google tem beneficiado bastante os blogs “blogspot” nas pesquisas gerais, o que antes era exclusividade apenas para as pesquisas por imagens.

    Responder
  17. Dermeval

    Muito bom artigo.

    Já tenho um perfil no Google+ e tento divulgar o meu blog que é muito recente, mas me preocupa a dificuldade de achar pessoas interessadas em um nicho específico ou de que elas te achem. O que vejo muito é só postagens de fotos engraçadas, muitas mensagens românticas e tal.

    O conceito de círculos pelo que eu percebi, dificulta para pessoas que realmente teriam interesse no seu blog ou site te encontrem.

    No twitter, além de uma postagem sua aparecer para seu seguidores, eventualmente aparece para muitas outras pessoas, como maneira de socializar, no Google+ ainda não entendi se acontece também, por que se não, fica bem mais difícil.

    Responder
  18. Iúri

    Olá Fábio,

    Sem dúvida é uma excelente análise, e, com certeza, não tão simples de ser feita, ou simples de se chegar a uma conclusão.

    Ainda o Google+ é pouco movimentado se comparado ao Facebook – confirme isso vendo o número de atualizações de seus contatos em ambas redes sociais. Para o Google+ não fracassar para o Buzz o Google tem que arrumar um modo de fazer com que haja a migração natural do Facebook para o G+.

    Eu, como um blogueiro iniciante, realmente não sei como isso poderia ser feito de forma simples, ou mesmo natural; porém, veja que o Facebook tem muito mais recursos para prender a atenção da pessoa do que o G+. Acredito que o Google tem que mudar a filosofia de sua rede social.

    Depois desse artigo tentarei olhar com outros olhos o G+, tomara que ele me ajude a melhorar o tráfego dos meus blogs.

    Um abraço.

    Responder
  19. Cristiano Tomaz

    Eu acredito que o sucesso do Google Plus está, no momento, associado diretamente ao Gmail e a contas do Google. Enquanto a maioria das pessoas utilizam como suas contas principais Hotmail ou Yahoo e não utilizarem contas do Google pra usar seus serviços (You Tube, Maps, Blogger, etc), eles não terão motivo pra chegar na tela do computador e se logar no Plus pra ter acesso a rede de indicações por relacionamento. Usuários mais avançados e empresas, que mantém sua página atualizada no Google Places, talvez estejam mais propícios a serem impactados por esta mudança inicialmente. Para que a busca social afete a massa de internautas, cabe mesmo ao Google fazer com que estes estejam cada vez mais dependentes de seus serviços.

    Responder
    • Dermeval Junior

      Isso me fez pensar!

      Já tem alguns posts no meu blog twitados (apesar de muito recente) porém indicações no botão +1 quase não tem.

      Então estamos dependendo muito do crescimento do Google+, isso é preocupante porque o facebook taí com toda força, não vejo sinais de migração para o G+

      Responder
  20. Milton Ramos

    Olá Fábio,

    Ha algum tempo fiz o meu perfil e comecei a montar o meu circulo, tenho compartilhados alguns dos meus posts. Mas se é para o nosso bem maior, que venham. É uma questão de adaptações, se é importante, conseguiremos, só precisamos de tempo!

    Abraços,
    Milton

    Responder

Deixar um comentário

  • (não será publicado)

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>